PodCast #FalaPapa

Clique para ouvir o Podcast

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Quem foi realmente Dom Helder Câmara?

Por Julio Loredo – Corrispondenza Romana | Tradução: Gercione Lima – Fratres in Unum.com: Muito se tem falado nestes dias sobre Dom Helder Câmara, cujo processo de beatificação foi recentemente aprovado pelo Vaticano. Para o italiano médio, a figura de Mons. Helder Pessoa Câmara (1909-1999), bispo auxiliar do Rio de Janeiro e, em seguida, arcebispo metropolitano de Olinda-Recife, é quase desconhecida.
domhelderQuem foi Dom Helder?
Propaganda que beira o limite do ridículo
As únicas notícias sobre Dom Hélder Câmara que passam pelos filtros da nossa imprensa são aquelas provenientes das fábricas de propaganda local, de modo tão desequilibrado que eu não tenho medo de defini-las como beirando o limite do ridículo.
Lembro-me bem, por exemplo, da reação da imprensa na época da morte de Dom Helder, em agosto de 1999. Os meios de comunicação italianos competiam entre si em panegíricos, dando títulos altissonantes como “profeta dos pobres”, “santo das favelas”, voz  do Terceiro Mundo”, “Santo Helder das Américas” e assim por diante. Foi uma espécie de canonização pelos meios de comunicação de massa (1).
Esta mesma máquina de propaganda parece ter sido reativada com a abertura do processo de beatificação, assinado no Vaticano no último 25 de fevereiro. Algumas informações sobre o assunto, de fato, não fariam mal algum.
Militante pró-nazista
Talvez poucas pessoas saibam, mas Dom Helder Câmara começou sua vida pública como militante na direita pró-nazista.
Ele foi, de fato, hierarca da Ação Integralista Brasileira (AIB), o movimento pró-nazista fundado por Plínio Salgado. Em 1934, o então Padre Câmara passou a fazer parte do Conselho Supremo da AIB. Dois anos depois, ele se tornou o secretário pessoal de Plínio Salgado e então Secretário Nacional de AIB, participando como protagonista em comícios e passeatas paramilitares que imitavam as dos nazistas na Alemanha. Suas convicções pró-nazistas eram tão profundas, que ao ser ordenado sacerdote fez questão de vestir, sob a batina, a famigerada “camisa verde” que era o uniforme da milícia integralista.
Em 1946, o arcebispo do Rio de Janeiro queria fazê-lo seu bispo auxiliar, mas a Santa Sé recusou por causa de sua precedente militância pró-nazista. A nomeação veio apenas seis anos depois. Enquanto isso, Helder Câmara havia completado sua passagem do integralismo pró-nazista ao progressismo pró-marxista.
Quando, em 1968, o escritor brasileiro Otto Engel escreveu uma biografia de Mons. Câmara, ele recebeu ordens sumárias da Cúria de Olinda-Recife proibindo-o de publicá-la. O arcebispo não queria que seu passado pró-nazista fosse conhecido.
Da JUC para o PC. A Ação Católica Brasileira
Em 1947, Padre Câmara foi nomeado Assistente Geral da Ação Católica brasileira, que, sob sua influência, começou a deslizar para a esquerda para abraçar, em alguns casos, o marxismo-leninismo. A migração foi particularmente evidente na JUC (Juventude Universitária Católica), da qual Helder Câmara era particularmente próximo. Assim escreve Luiz Alberto Gomes de Souza, então secretário da JUC: “A ação dos militantes da JUC (…) foi convertida em um compromisso que, pouco a pouco, se revelou socialista” (2).
A revolução comunista em Cuba (no ano de 1959) foi recebida com entusiasmo pela JUC. De acordo com Haroldo Lima e Aldo Arantes, líderes da JUC, “o ressurgimento das lutas populares e o triunfo da revolução cubana em 1959 abriu a idéia de uma revolução brasileira à JUC”. O deslize para a esquerda foi muito facilitado pela cooperação da JUC com a UNE (União Nacional de Estudantes), muito próxima ao Partido Comunista. “Como resultado de sua militância no movimento estudantil – prosseguem Arantes e Lima – a JUC foi forçada a estabelecer uma agenda política mais ampla para os cristãos de hoje. Foi assim que, no Congresso de 1960, foi aprovado um documento (…) no qual se anunciava a adesão ao socialismo democrático e à idéia de uma revolução brasileira “(3).
Durante o governo de esquerda do presidente João Goulart (1961-1964), foi formada dentro da JUC uma facção radical chamada inicialmente de O Grupão, que mais tarde veio a ser transformado em Ação Popular (AP) que, em 1962, se definiu a si mesmo como socialista . No congresso de 1963, a AP aprovou seus estatutos por meio dos quais “abraçava o socialismo e propunha a socialização dos meios de produção.” Estatutos que continham, entre outras coisas, elogios à revolução soviética e um reconhecimento da  “importância decisiva do marxismo na teoria e na práxis revolucionária “(4).
O desvio, no entanto, não parou por aí. No Congresso Nacional, de 1968, a Ação Popular se proclamou marxista-leninista, mudando o nome para Ação Popular Marxista-Leninista (APML). Visto que nada mais a separava do Partido Comunista, em 1972 foi decidido que ela deveria ser dissolvida e incorporada ao Partido Comunista do Brasil. Através desta migração, muitos militantes da Ação Católica acabaram indo participar da luta armada durante aqueles  anos de chumbo no Brasil.
Contra o parecer de não poucos bispos, Mons. Helder Câmara foi um dos defensores mais entusiasmados e convictos da migração da JUC para a esquerda.
Contra Paulo VI e outras esquisitices
Em 1968, quando o Papa Paulo VI estava prestes a publicar a encíclica Humanae Vitae, Mons. Helder Câmara tomou partido abertamente contra o Pontífice, qualificando a sua doutrina sobre a contracepção como “um erro destinado a torturar os esposos e perturbar a paz de muitos lares” (6).
Em um poema que realmente provocou celeuma, o arcebispo de Olinda-Recife,  ironizava as mulheres “vítimas” da doutrina da Igreja, forçadas, segundo ele, a gerar “monstros”: “Filhos, filhos, filhos! Se a relação sexual é o que você quer, você tem de procriar! Mesmo que seu filho nasça sem órgãos, as pernas feito palitos, a cabeça grande, feio de morrer!”.
Helder Câmara também defendia o divórcio, endossando a posição das igrejas ortodoxas que “não excluem a possibilidade de um novo casamento religioso para quem foi abandonado  [pelo cônjuge].” Perguntado se isso não iria dar razão para os secularistas, ele respondeu: “Que importa se alguém cante vitória, se ele está certo?”.
O inquieto Arcebispo reivindicava também em alta voz a ordenação de mulheres. Falando a um grupo de bispos durante o Concílio Vaticano II, perguntava insistentemente: “Diga-me, por favor, se encontram algum argumento efetivamente decisivo para impedir o acesso de mulheres ao sacerdócio, ou se trata apenas de um preconceito masculino?” .
E que importa se o Concílio Vaticano II impediu depois essa possibilidade? Segundo Câmara, “temos de ir além dos textos conciliares [cuja] interpretação compete a nós.”
Mas os devaneios não terminam por aí. Em uma conferência realizada na frente dos Padres conciliares, em 1965, ele afirmava: “Eu creio que o homem criará a vida artificialmente, chegará à ressurreição dos mortos, e (…) obterá resultados milagrosos na recuperação de pacientes do sexo masculino através do enxerto de glândulas genitais de macacos”.
Defendendo União Soviética, China e Cuba
As tomadas de posições concretas  de Dom Helder Câmara em favor do comunismo (embora às vezes criticava o ateísmo) foram numerosas e consistentes.
Por exemplo, permanece tristemente notório seu discurso de 27 de Janeiro de 1969, em Nova York, durante a sexta conferência anual do Programa Católico de Cooperação Interamericana. Sua intervenção foi assim tão favorável ao comunismo internacional, que lhe valeu o epíteto de “arcebispo vermelho”, um apelido que permaneceria indissoluvelmente ligado ao seu nome.
Depois de ter reprovado duramente a política os EUA e a sua política anti-soviética, Dom Helder propôs um corte drástico nas forças armadas dos EUA, enquanto pedia à URSS para manter suas capacidades bélicas, a fim confrontar o ‘”imperialismo”. Ciente das consequências desta estratégia, ele defendeu-se de antemão: “Não me digam que esta abordagem colocaria o mundo nas mãos do comunismo!”
Do ataque contra os Estados Unidos, Helder Câmara passou a tecer o panegírico da China de Mao Tse-Tung, então repleta da  “revolução cultural”, que causou milhões de mortes. O Arcebispo Vermelho pediu formalmente a admissão da China comunista à ONU, com a consequente expulsão de Taiwan. Ele terminou seu discurso com um apelo a favor do ditador cubano Fidel Castro, que naquela época estava ativamente empenhado em promover a guerrilha sangrenta na América Latina. Ele também exigiu que Cuba fosse readmitida na  OEA (Organização dos Estados Americanos), da qual havia sido expulsa em 1962.
Esta intervenção, tão descaradamente pró-comunista e anti-ocidental, foi denunciado pelo prof. Plinio Corrêa de Oliveira no manifesto “O Arcebispo Vermelho abre as portas da América e do mundo para o comunismo”: “as declarações contidas no discurso de Dom Helder delineam uma política de rendição incondicional do mundo ao comunismo. Estamos diante de uma realidade chocante: um bispo da Igreja Católica Romana empenha o prestígio decorrente da sua dignidade como um sucessor dos Apóstolos para demolir os bastiões da defesa militar e estratégica do mundo livre de frente ao comunismo. O Comunismo, que é o inimigo mais radical, implacável, cruel e insidioso, que mais atacou a Igreja e a civilização cristã em todos os tempos “(7).
Um projeto da revolução comunista para a América Latina
Mas talvez o episódio que causou maior espanto foi o chamado “affaire Comblin”.
Em junho de 1968, um documento bomba preparado sob os auspícios de Dom Helder Câmara pelo padre belga José Comblin, professor do Instituto Teológico (seminário), em Recife, vazou para a imprensa brasileira. O documento propunha, sem véus, um plano subversivo para desmantelar o Estado e estabelecer uma “ditadura popular” de matriz comunista. Aqui estão alguns pontos:
Contra a propriedade. No documento, Comblin defende uma reforma tripla – agrícola, urbana e fiscal – partindo do pressuposto de que a propriedade privada e, portanto, o capital são intrinsicamente injustos. Qualquer uso privado do capital  deve ser proibido por lei.
Total Igualdade. O objetivo, afirma Comblin, é estabelecer a igualdade total. Cada hierarquia, tanto no plano político-social como eclesial, deve ser abolida.
A Revolução política e social. No campo político-social essa revolução igualitária propunha a destruição do Estado por mãos de “grupos de pressão” radicais, os quais uma vez tomado o poder, deverão estabelecer uma férrea “ditadura popular” para amordaçar a maioria, considerada “indolente”.
Revolução na Igreja. Para permitir que essa minoria radical governe sem obstáculos, o documento propõe a anulação virtual da autoridade dos bispos, que estariam submissos  ao poder de um órgão composto apenas por extremistas, uma espécie de “Politburo” eclesiástico.
Abolição das Forças Armadas. As Forças Armadas deveriam ser dissolvidas e suas armas distribuídas ao povo.
A censura na imprensa, rádio e TV. Enquanto o povo não tiver atingido um nível aceitável de “consciência revolucionária”, a imprensa, rádio e TV seriam estritamente controladas. As elites que discordam devem deixar o país.
Tribunais Populares. Acusando o Poder Judiciário de ser “corrompido pela burguesia”, Comblin propõe o estabelecimento de ” tribunais populares extraordinários ” para aplicar o rito sumário contra qualquer um que se oponha a este vento revolucionário.
Violência. No caso, que não fosse possível implementar este plano subversivo por meios normais, o professor do seminário de Recife considerava legítimo recorrer às armas para estabelecer, pela força militar, o regime que ele teorizou (8).
O apoio de Helder Câmara
O “Documento Comblin” no Brasil teve o efeito de uma bomba atômica. Em meio a polêmica que se seguiu, o Padre Comblin não negou a autenticidade do documento, mas disse apenas que, se tratava “só de um esboço” (sic!). Por seu lado, a Cúria de Olinda-Recife admitiu que o documento havia saído do seminário diocesano, sim, mas afirmava que “não é um documento oficial” (sic de novo!).
Interpretando a legítima  indignação do povo brasileiro, prof. Plinio Corrêa de Oliveira, então, escreveu uma carta aberta ao Mons. Helder Câmara, publicada em 25 jornais. Lemos na carta: “Estou certo de interpretar o sentimento de milhões de brasileiros pedindo a Sua Excelência que expulse do Instituto Teológico do Recife e da Arquidiocese, o agitador que tira proveito do sacerdócio para apunhalar a Igreja, e abusa da hospitalidade brasileira para pregar o comunismo, a ditadura e a violência no Brasil “.
Helder Câmara respondeu evasivamente: “Todo mundo tem o direito de discordar. Eu simplesmente ouço todas as opiniões”. Mas, ao mesmo tempo, confirmou Padre Comblin no cargo de professor do Seminário, respaldando-o com a sua autoridade episcopal. No final, o governo brasileiro revogou o visto do padre belga, que, em seguida, teve que deixar o país.
Teologia da Libertação
Mons. Helder Câmara também é lembrado como um dos paladinos da chamada “Teologia da Libertação”, condenada pelo Vaticano em 1984.
Duas declarações sintetizam essa teologia. A primeira, do compatriota de Dom Helder, Leonardo Boff: “O que propomos é o marxismo, o materialismo histórico, na teologia” (9). A segunda, do peruano Gustavo Gutiérrez, padre fundador da corrente: “aquilo que entendemos como teologia da libertação é o envolvimento no processo político revolucionário” (10). Gutiérrez até explica o sentido dessa participação: “Só indo muito além de uma sociedade dividida em classes. (…) só eliminando a propriedade privada da riqueza criada pelo trabalho humano, nós seremos capazes de estabelecer as bases para uma sociedade mais justa. É por isso que os esforços para se projetar uma nova sociedade na América Latina estão se movendo cada vez mais em direção ao socialismo “(11).
Precisamente sobre este tema recentemente foi publicado na Itália um livro pela editora Cantagalli:  “Teologia da Libertação: um salva-vidas de chumbo para os pobres” (12).
Amigo dos pobres e da liberdade?
Mas talvez a maior lorota sobre Helder Câmara é tentar apresentá-lo como um amigo dos pobres e defensor da liberdade.
O título de defensor da liberdade cai muito mal pra quem elogiou algumas das ditaduras mais sangrentas que flagelaram o século XX. Primeiramente o nazismo e depois o comunismo em todas as suas vertentes: soviética, cubana, chinesa…
Acima de tudo, todavia, o título de amigo dos pobres não corresponde exatamente a alguém que apoiou regimes que causaram uma pobreza tão espantosa a ponto de serem qualificados pelo então cardeal Joseph Ratzinger  como a “vergonha de nosso tempo” (13).
Uma análise cuidadosa da América Latina -, país por país – mostra claramente que onde foram aplicadas as políticas propostas por Dom Helder, o resultado foi um aumento significativo da pobreza e do descontentamento popular. Lá onde, ao invés, foram aplicadas políticas opostas, o resultado foi um aumento geral de bem-estar.
Um exemplo para todos: a reforma agrária, da qual Dom Helder foi o principal promotor e que, ao invés disso, mostrou-se “o pior fracasso da política pública em nosso país”, segundo palavras do insuspeito Francisco Graziano Neto, presidente do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), que é o departamento responsável pela implementação da reforma agrária no Brasil (14).
O leitor interessado em explorar o tema, com grande quantidade de dados estatísticos relevantes, pode consultar o livro mencionado acima (15).
Indro Montanelli tinha razão quando disse: “a esquerda ama tanto os pobres que toda vez que chega ao poder faz com que seu número aumente”.

1. Cfr. Julio LOREDO, L’altro volto di Dom Helder, “Tradizione Famiglia Proprietà”, novembre 1999, pp. 4-5.

2. Luiz Alberto GOMES DE SOUZA, A JUC. Os estudantes católicos e a política, Editora Vozes, Petrópolis 1984, p. 156.

3. Haroldo LIMA e Aldo ARANTES, História da Ação Popular. Da JUC ao PC do B, Editora Alfa-Omega, São Paulo 1984, p. 27-28.

4. Ibid., p. 37.

5. Si veda, per esempio, Scott MAINWARING, The Catholic Church and Politics in Brazil, 1916-1985, Stanford University Press, 1986, p. 71.

6. Cfr. Helder PESSOA CÂMARA, Obras Completas, Editora Universitária, Instituto Dom Helder Câmara, Recife, 2004. Cfr. Massimo INTROVIGNE, Una battaglia nella notte, Sugarco Edizioni, Milano 2008.

7. Plinio CORRÊA DE OLIVEIRA, O Arcebispo vermelho abre as portas da América e do mundo para o comunismo, “Catolicismo” Nº 218, febbraio 1969. È interessante confrontare – per rilevarne le numerose somiglianze – il discorso di Dom Helder con quello tenuto da Ernesto “Che” Guevara all’ONU il 12 dicembre 1964.

8. Si veda Plinio CORRÊA DE OLIVEIRA, TFP pede medidas contra padre subversivo, “Catolicismo”, Nº 211, luglio 1968.

9. Leonardo BOFF, Marxismo na Teologia, in “Jornal do Brasil”, 6 aprile 1980.

10. Gustavo GUTIÉRREZ, Praxis de libertação e fé cristã, Appendice a Id., Teologia da libertação, Editora Vozes, Petrópolis 1975, p. 267, p. 268.

11. Gustavo GUTIÉRREZ, Liberation Praxis and Christian Faith, in Lay Ministry Handbook, Diocese of Brownsville, Texas 1984, p. 22.

12. Julio LOREDO, Teologia della liberazione: un salvagente di piombo per i poveri, Cantagalli, Siena 2014.

13. SACRA CONGREGAZIONE PER LA DOTTRINA DELLA FEDE, Istruzione Libertatis Nuntius, XI, 10.

14. Francisco GRAZIANO NETO, Reforma Agraria de qualidade, in “O Estado de S. Paulo”, 17 aprile 2012.

15. Julio LOREDO, Teologia della liberazione: un salvagente di piombo per i poveri, pp. 315-338. Il libro può essere richiesto online a info@atfp.it


Fonte: http://www.corrispondenzaromana.it/notizie-dalla-rete/chi-era-davvero-dom-helder-camara/

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Novena em honra ao Espírito Santo, composta pela Beata Elena Guerra



Novena em honra ao Espírito Santo, composta pela Beata Elena Guerra
1º dia
Oração Inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém!
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!
Meditações
As ações do Espírito Santo em nossas almas
Essa belíssima e nobre criatura que é a alma humana, criada pela paterna Mão de Deus, foi pelo Eterno Amor enriquecida das mais eleitas virtudes; que nela produz seus frutos, graças à ação vivificante do mesmo Amor que é o Espírito Santo.
As ações deste Divino Espírito nas almas são admiráveis, e quanto mais as contemplamos, tanto mais nos enchemos de maravilha e de consolação. Inacessível por sua natureza, o Espírito Santo se torna acessível por sua infinita bondade, sobretudo para as almas que O desejam, e a elas se comunica de modo inexplicável. Ele as enche de Si, e as faz sentir Sua presença com luzes, inspirações, confortos graças de todas as maneiras. E por mais que seja simples na sua essência, é variado e múltiplo nos seus efeitos. E na obra da santificação das almas, pode-se afirmar que o Espírito Santo é tudo em todos.
Este dogma da inefável operação do Espírito Santo na alma do cristão mostra claramente uma verdade que eleva a uma dignidade incompreensível: Eis uma expressão desta verdade. “Um Deus se ocupa de mim. Um Deus se preocupa em me fazer o bem. O desejo pela minha perfeição é a sua predileta ocupação! Ele trabalha em mim, pensa sempre em mim, não cessa de trabalhar por mim!”. E por que tudo isso? Porque me ama e me ama infinitamente! Por quê? Porque eu sou uma feliz criatura dos eternos e amorosos cuidados de Deus!
Se esta verdade fosse por ti bem considerada e bem entendida, que mais te importaria, ó alma cristã, das coisas da terra? Tu, tão amada por Deus, como poderia não aproveitar Seus afetos, desperdiçando-os pelos bens desta terra? Ah, se conhecesses a ti mesma e Aquele que opera em ti, estarias morta para o mundo e o mundo estaria morto para ti, e viverias desde agora toda em Deus!
Momento para meditação pessoal
Oração
Ó Espírito Santo, Eterno Amor, esta pobre alma não encontra palavras para exprimir a doce maravilha e o reconhecimento que experimenta pensando em Vós, ó Altíssimo Deus, que Vos dignastes Vos ocupar desta mesquinha criatura e de fazer-lhe continuamente o bem. Agradeço-Vos de coração; mas ao mesmo tempo, sinto necessidade de pedir-Vos perdão por ter apreciado tão pouco e correspondido tão mal até agora ao Vosso amoroso “operar” na minha alma. Vós, que me encheis de favores e favores tão grandes que não consigo nem mesmo compreendê-los, acrescentai-me um outro favor: aquele de fazer-me apreciar, ó Divino Espírito, os benefícios do Vosso Amor, e de ajudar-me a corresponder-Vos fielmente.
Abri ó Espírito Santo, com aquela luz da qual sois origem e fonte, os olhos da minha mente, e fazendo-me melhor conhecer os efeitos do infinito amor que me trazeis, movei ó Espírito Santo, o meu coração à verdadeira e constante correspondência.
Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna! Amém!
2º dia
Oração inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!
Meditações
O Espírito Santo habita em nós
É esta uma consoladora verdade expressa no Evangelho (Cf. Mt 10, 20), e confirmada pelo Apóstolo Paulo quando escreve aos Coríntios: “Não sabeis que o Espírito Santo habita em vós? E não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo?” É também por isso que a Igreja Católica se alegra em chamar o Divino Espírito de “Doce Hóspede da Alma”. Hóspede que reveste da graça santificante, que irriga da divina luz, que a faz capaz de obras merecedoras da vida eterna.
Segundo São Tomás, o Espírito Santo é para nossa alma o que a alma mesma é para o nosso corpo. E assim, como um corpo não pode viver sem a alma, uma alma privada do Espírito Santo é morta, morta para a graça, morta ao santo amor, e incapaz de conquistar méritos para o Céu. Ai de quem expulsa com o próprio pecado o Doce Hóspede da Alma, porque expulsa o amor, a graça e perde a própria vida.
Sim, ó Cristão, o Espírito habita em ti. E se tens fé, deves estar convicto sempre desta verdade: Nunca te encontrarás sozinho. Está contigo o Doce Hóspede da Alma. Está contigo de dia e de noite, na fadiga e no repouso, na deficiência e na prosperidade. Contigo estará (e mais o do que nunca) na oração e na tribulação. Ah, se tu soubesses te valer da presença de um amigo tão bom e poderoso!
Se nas tentações, nos perigos e nas angústias te recordasses que possuis o Espírito Santo dentro de ti! E se a Ele recorresses prontamente quando preocupasses teu pequeno coração!
Pare o teu pensamento algumas vezes durante o dia na consideração desta dulcíssima verdade: O Espírito Santo habita em mim! Se pensares assim, não terás apenas alegrias, mas também novas forças para avançar nos caminhos da virtude.
Momento para meditação pessoal
Oração
Ó Altíssimo Deus, que em tudo sempre sois Admirável e grande, mas ainda mais nas obras de amor, elegestes a alma cristã para Vosso Tabernáculo e não só lhe conferistes Vossos bens, mas doastes a Vós mesmo.
Ah! Se a Vossa bondade fosse ao menos apreciada por algumas almas, e se Vós não fosses tão contristado e ofendido por essas almas que deveriam amar-Vos tanto!
Arrependo-me ó Sumo Amor de ter tantas vezes, também eu, Vos contristado com a minha frieza, esquecimento e ingratidão. Arrependo-me também de ter vos expulsado do meu coração e dado lugar ao Vosso eterno inimigo, o pecado, e com esse, o demônio. Mas sei que uma sincera lágrima de arrependimento servirá para chamar-Vos. Sei que Sois mais amoroso que uma doce mãe. Sois sempre pronto a perdoar. Por isso, com confiança, Vos digo: Vem ó Espírito Santo; Vem a esta alma que não quer mais contristar-Vos, nem ofender-Vos jamais.
Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.
3º dia
Oração Inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém.
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.
Meditações
O Espírito Santo, nosso Consolador
Depois do pecado original, a miserável descendência de Adão sofre pela dor, consequência não apenas do primeiro pecado, mas também das obras cometidas por nós mesmos. Ora, o Espírito Santo, que é Amor, não deixará sofrer seus amados sem derramar sobre eles muitíssimas consolações. E é porque Ele nos consola, que a Igreja O chama de “Consolador Perfeito”, e possui para Ele os mais doces nomes, como “Pai do Pobres”, “Repouso no cansaço”, “Doce Refrigério”, “Alívio no Pranto”. Se bem que Ele não nos tira das mãos aquele cálice da amargura que devemos beber à semelhança do Salvador.
Contudo, o Espírito Santo sabe misturar sua doçura às nossas amarguras nas dores que nos vem da parte das criaturas, Ele nos dá o conforto da Sua graça; nas desgraças, um doce e tranquilo impulso para nos conformarmos. Em cada sofrimento, o Espírito nos dá um raio de Sua luz que nos faz entender que por detrás daquele mal, existe um bem, e uma voz de verdade que nos recorda as eternas recompensas por sofrermos; e com Aquela voz de verdade, a alma atribulada é consolada pelo Perfeito Consolador que a ela se entrega.
Se temos um Perfeito Consolador, por que o mundo está repleto de aflitos? Por que em toda a parte se derramam lágrimas, e por que se escutam os gemidos de dor? Por que se chega ao suicídio? Infelizmente, devemos constatar que esses não conhecem o Espírito Santo, que é o Verdadeiro Consolador do homem, porque o sofrimento deles não possui conforto.
Mas por que isso acontece também entre os cristãos? A razão é clara: Também entre os cristãos, pouco se conhece e menos ainda se honra e se ora ao Espírito Consolador. Mas, se vemos almas que no sofrer se mantêm tranquilamente conformadas, podemos bendizer que elas estão com o Espírito Santo, e se vemos algumas que em meio às tribulações podem repetir como São Paulo que superabundam em alegria, podemos também dizer que estas são plenas do Espírito Santo e cheias da Verdadeira consolação.
Momento para meditação pessoal
Oração
Ó minha alma fraca e mesquinha, o Espírito Santo até agora não te preencheu de todas as divinas consolações, porque foi por ti pouco conhecido, menos honrado, e rara e friamente invocado.
Quando tristeza, abatimento, melancolia e toda espécie de dor oprimiam a minha alma, Vós ó Consolador Perfeito, esperavas de mim apenas um olhar, um suspiro, um lançar-se de filial confiança para derramar-me no seio de vossos divinos confortos. Perdoai minha ignorância e a falta de confiança com que Vos tenho tratado até agora. Neste momento, abro-Vos toda a minha alma, ó Divino Consolador, e Vos prometo que em todas as dores desta vida, recorrerei prontamente ao Vosso socorro, e não procurarei outro consolador senão Vós, ó Pai dos Pobres, Repouso no cansaço e Alívio no pranto.
Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.
4º dia
Oração inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!
Meditações
O Espírito Santo é o Doador dos dons
Sendo próprio do amor beneficiar e repartir dons, isso acontece principalmente com o Amor por excelência que é o Espírito Santo. E o faz para com as criaturas pobres e necessitadas que se confiam a tão grande Provedor, aquele que concede não só aquilo que lhe é pedido, mas dá em abundância diante de cada pedido e de cada desejo.
São seus verdadeiros devotos aqueles que d’Ele recebem um filial Temor que os afasta do pecado; que recebem uma fervorosa Piedade que os faz mais queridos a Deus e benevolentes com o próximo; uma Ciência que endereça os próprios juízos e faz com que vejam claramente as coisas de Deus; uma sobre-humana Fortaleza onde todo obstáculo seja superado; o celeste Conselho para distinguir os movimentos da graça e para eleger prudentemente os meios mais apropriados para a Salvação. Recebem enfim, um sobrenatural Intelecto que é sustento para a fé e luz para a vontade; e uma Sabedoria celeste, que os leva a conformar os pensamentos e vontades ao divino Beneplácito, colocando-os em perfeito acordo com Deus.
Como então, tendo um Benfeitor assim tão extenso de graças e de Dons, nós somos tão pobres? Pobre é o nosso espírito de celestes dons; paupérrimo é o nosso coração de virtudes; pobre e nua de méritos é nossa alma!… Mas de onde então surge a pobreza, enquanto estão abertos diante de nós os tesouros do Paráclito, e o Doador de todo bem que infinitamente nos ama? Sim, o Espírito Santo nos ama infinitamente, e concede os seus melhores dons àqueles que os desejam, a quem pede, a quem fielmente a eles correspondem.
Com uma mão no coração, ó cristão, reconheça a tua pobreza espiritual e diga como correspondestes às inspirações, às luzes, às graças do Paráclito. Desejastes ardentemente seus preciosos dons? Pedistes com fervorosa e constante oração? Afastastes teu coração das coisas da terra para te enriquecer dos tesouros do céu? Reflete e responda.
Momento para meditação pessoal
Oração
Confesso, ó Amante Supremo dos homens; confesso que a deplorável pobreza desta alma é pobreza consciente; eu mesmo me sujei, porque não só não apreciei, não desejei e não pedi com favores celestes, riquezas que Vós tão amorosamente derramais nas vossas criaturas, mas fiz pior ainda, eu que recebi tantas vezes da Vossa doce liberdade, tantos dons, inspirações e graças, não Vos correspondi, e como servo ingrato do Evangelho, enterrei os Vossos dons na lama mais negligente da minha preguiça, e na acídia da minha inércia. Ó meu Deus, quanto mal eu fiz à Vossa infinita bondade, e quanto mal eu fiz a mim mesmo.
Mas Vós sois o Amor, o Amor onipotente. Não queira castigar este servo infiel, mas aceitando meu arrependimento, o qual uno à promessa de corresponder para o futuro aos Vossos Dons. Curai, ó Bondade Infinita, os danos da minha infidelidade passada, e tornai a enriquecer-me benignamente dos Vossos Dons.
Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.
5º dia
Oração inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.
Meditações
O Espírito Santo e os Seus frutos
Chamamos Frutos do Espírito Santo aqueles preciosos efeitos que Ele produz nas almas, mediante a infusão dos Seus Dons, os quais, postos à disposição das almas, tornam-nas fecundas de atos sobrenaturais de virtudes, que são frutos de santidade e de vida eterna. A nossa natureza, viciada em Adão, é como uma árvore silvestre que dá frutos amargos e ingratos. O Espírito Santo realiza nestas árvores um saudável enxerto, que as faz de certo modo transformar a natureza, onde o suco vital, ou seja, a natural virtude operativa do homem, passando pelo novo enxerto, nele recebe as boas qualidades e dá frutos doces e salubres. E, falando propriamente, não é o homem que produz aqueles bons frutos, mas o Espírito Santo, princípio eternamente fecundo da vida sobrenatural.
Toda árvore, boa ou má, se conhece pelos frutos que produz; e cada ramo da árvore frutífera será por Deus podado a fim de que produza maior fruto (Cf. Jo 15, 3). Não basta, portanto, o enxerto para que uma árvore ruim produza bons frutos, é preciso que o empenhado agricultor faça a poda e que a cultive. E é aqui que acontece o miserável naufrágio da virtude de tantos cristãos que relutam diante do sofrimento. Gozam aqueles, de serem enxertados com o precioso broto da graça divina, mas não querem depois, que a mão providente do celeste Agricultor lhes pode, isto é, não querem despojar-se totalmente de seus afetos terrenos, não querem cortar generosamente suas paixões favoritas e mesmo que quisessem ser ramos frutíferos da árvore do paraíso, querem também reter em si os parasitas selvagens do antigo inimigo; isto é, afetos mundanos, amor próprio, orgulho, avareza e coisas semelhantes. Mas esses vergonhosos ramos, que mesmo diante do precioso enxerto permanecem selvagens e estéreis, no fim não serão rejeitados e lançados ao fogo?
Momento para meditação pessoal
Oração
Ó Divino Espírito, se eu considero que também na minha alma realizas aquele enxerto salutar pelo qual esta mesma alma deveria produzir frutos de vida eterna, reflito na minha deplorável instabilidade, libero um amargo suspiro do meu coração… Onde estão aqueles frutos que eu, como ramo de uma árvore divina deveria produzir; aqueles frutos que deveriam estar maduros pelos ardores celestes do Espírito Santo? Quantos são? São perfeitos? Um outro amargo suspiro é a resposta! Mas de quem é a culpa desta vergonhosa esterilidade?
Senhor, eu me acuso diante dos Vossos pés: A culpa é minha, é toda minha! Eu não quis que pela Vossa Mão benéfica, fosse tirado de minha volta as ervas daninhas das paixões e dos vícios; e recusei o ferro saltar da mortificação cristã; a acídia se opôs em mim às santas obras; a frieza e a inconstância apagaram meu fervor; não correspondi fielmente às vossas graças, ó Divino Espírito. Sou semelhante a uma planta estéril e inútil, não estando apta senão a ser lançada ao fogo.
Meu Deus! Para o fogo do Inferno não quero ir. Lança-me mais ainda no Fogo do Vosso Amor, que purifica as almas e torna-as fecundas dos santos Frutos.
Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.
6º dia
Oração inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.
Meditações
O Espírito Santo é nosso Advogado
Os fracos, os órfãos, e os sem direitos, têm necessidade de um defensor, de um advogado, que tenha no coração os interesses deles e trabalhe para fazer-lhes o bem. Aos cristãos, não falta este Advogado. Foi o Amante Salvador que nos prometeu e nos deu; e é o seu mesmo Amor: O Espírito Santo. Mas quem poderá nos dizer todo bem que nos faz este divino Advogado; aquele Amor Eterno cujas obras, palavras e relações com as almas são todas amor?
E este Amor, como sabemos por meio de São Paulo, está especialmente conosco e vem em auxílio da nossa fraqueza quando rezamos. A nossa miséria é tão grande, que não sabemos rezar como convém; a nossa cegueira é tamanha que nem mesmo sabemos o que pedir. Mas é aqui que nos ajuda o Espírito Santo, que dentro de nós ora e suplica com gemidos inenarráveis; e porque Aquele que perscruta o nosso coração bem sabe aquilo que pedimos com tais gemidos inspirados pelo Espírito Santo, e nos dá a consoladora certeza de sermos ouvidos.
Portanto, Deus mesmo ora em mim! O Eterno Amor vem em nós suscitar santos gemidos e acende muitos afetos em nosso coração, dessa forma, nos ajuda a invocar a divina Misericórdia. O Espírito Santo reza em mim e eleva a minha alma às fontes da Vida Eterna para enriquecê-la de todo bem! O Espírito Santo ora em mim e me dá tanta eficácia nas minhas pobres forças, que preciso honrar e agradecer dignamente ao Altíssimo. O Espírito Santo ora em mim e os tesouros da graça divina se abrem diante de mim e a meu favor e também para todos aqueles por quem eu rezo.
O que pode ser negado para aquele cuja oração sobe ao céu unida aos gemidos inenarráveis do divino Amor? E mesmo se este fosse o único bem alcançado pela devoção ao Espírito Santo, já seríamos felizes o bastante.
O Espírito Santo rezará também naqueles que o esqueceram?
Momento para meditação pessoal
Oração
Ó Divino Advogado das almas, que sois todo Amor, sempre Amor, perfeito Amor, eu exulto e me alegro em saber que sois assim tão bom e que Vos dignastes morar dentro de nós, orar em nós e enviar ao Coração do Pai Celeste aqueles preciosos e inefáveis gemidos, que O movem a nos conceder toda graça. Como me arrependo agora, ó Espírito Santo, por ter Vos conhecido tão pouco e apreciado tão limitadamente Vosso infinito poder de intercessão e de oração dentro de mim!
Se a minha oração foi até agora distraída e ineficaz, isto aconteceu porque eu não pensava em Ti, meu divino Advogado, porque seguindo a confusão destes nossos tempos, eu não procurei a instrução religiosa e não cultivei a devoção para Convosco, meu Mestre, Consolador e Santificador da minha alma. Mas, a partir de agora, não será mais assim. Peço-Vos perdão, ó Espírito Santo, e prometo não Vos esquecer mais e Vos proclamar para os outros com as verdades católicas, que são luz para a mente e alegria para o coração.
Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

7º dia

Oração inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.
Meditações

Oh, Divino Paráclito! És o Santificador das almas

Se o Criador não quisesse elevar a alma humana à vida sobrenatural, renovando a sua imagem e soprando sobre ela o Hálito Divino, estaríamos perdidos. Quando Deus se comunica com a criatura, soprando sobre ela, dá-lhe sempre espírito, vida, graça, amor, melhor dizendo, dá-lhe a Si mesmo. Uma criatura que possui o Espírito de Deus, certamente não pode viver apenas segundo as razões da natureza terrena, que quase sempre se opõem à graça divina que deseja nos elevar à participação da natureza divina.

Mas quem dará a uma criatura da terra, ajuda e força para viver segundo a sublime vocação de um ser divinizado? Este milagre é obra do Divino Espírito Santo, que é o Santificador das almas; o qual com força e suavidade conduz as almas ao santo viver, a que nós chamamos vida sobrenatural, que consiste não só em observar os mandamentos da lei de Deus, mas em dirigir a Ele sempre, todo o nosso ser, nosso querer, nosso fazer e sofrer, vivendo assim, unicamente para Ele.

O nome do Santificador das almas é dado ao Espírito Santo na Divina Escritura, para indicar que Ele é princípio e fonte de toda santidade, dEle vem as graças, as luzes, os confortos, e ajuda para nossa santificação. É de fato Ele que ilumina o pecador no seu estado de perigo, acorda-o do sono da morte, inspira-o no desejo de voltar para Deus, ajuda-o a curar o próprio coração daquele tríplice germe do mal, que consiste no orgulho, na sensualidade e na avareza. É Ele quem o faz olhar a doçura da virtude, a felicidade da paz e as consolações do divino amor. Reforma nosso interior, reprime cativas inspirações, mostrando a preciosidade dos sofrimentos e o prêmio das boas obras; Ele completa em nós a obra admirável de Deus, comunicando virtudes santificadoras as nossas ações.

Na verdade, o Divino Espírito, cumpre para conosco aquela promessa da Sagrada Escritura: Vos darei um coração novo e um espírito novo. Vos tirarei da vossa sepultura, (isto é, do mortífero estado da culpa), vos darei o meu Espírito e viverei. Eu disse, eu farei (Ez 37). Que mais poderia prometer o Senhor de tão consolador?

Momento para meditação pessoal
Oração

Ó meu Deus, considerando todas as obras do Vosso Amor, me dou conta que sempre são mais admiráveis do que todos os prodígios. O homem criado por Vós, vem elevado a um estado de excelência quase divina e pouco menor do que os anjos. Ó Deus, o homem pecou, perdeu o Espírito Santo, e se fez escravo de Lúcifer. Mas Vossa mão veio sobre o homem caído e o levantou do antigo terror. Para levantar o homem, o Divino Verbo se abaixou, até vestir a nossa natureza. Fostes ao patíbulo, e roubastes e satanás o poderio sobre os homens, que foram resgatados pelo sangue de Deus, feitos homens novos pelo Espírito Santo, que os enriquece de dons e graças, santifica-os abraça-os… Meu Deus!
E saber que esta maravilha de amor realizastes por nós e em nós, também por mim e em mim. Como farei para amar-Vos e não pensar senão em Vós, Ó Espírito Santo de Amor. Perdoai a mim, perdoai a todos os cristãos pela ingratidão de Vos termos esquecido e de agora em diante, Ó Divino Espírito, nos unirmos para glorificar-Vos e honrar-Vos, não como mereceis, porque é impossível, mas da melhor maneira que pudermos fazer.
Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.
8º dia

Oração inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.
Meditações

Nosso deveres para com o Espírito Santo

O Espírito Santo, como Deus, possui também todo o direito de adoração, submissão e amor, assim como devemos render ao Pai e ao Filho. Como Ele em participar, é o Santificador de nossas almas, e que em nós reside substancialmente, a Ele devemos o obséquio de uma humilde e confiante oração, para lhe pedir força, para vencer as tentações, luz para conhecer melhor os nossos deveres e a graça para santificar todas as nossas ações, a fim de que sejam agradáveis a Ele. Além do mais, devemos-lhe docilidade às suas inspirações e reconhecimento pelos seus incessantes benefícios.

Mas, como o Espírito Santo é Amor, e o Amor deve ser amado, entre todos esses deveres, o que deve reinar é a primazia do Amor. E porque nós, miseráveis criaturas, não poderemos jamais amar adequadamente o Amor Infinito, amemos ao menos como podemos, e procuremos que Ele seja também mais conhecido e mais amado pelos outros.

Mas como cumpriremos os nossos deveres para com o Espírito Santo, se rara e friamente nos recordamos dEle? O esquecimento é adoração? O esquecimento é gratidão? É amor? Não, ao contrário: é ingratidão, desamor e desprezo.

Para nós, que conscientemente vivemos no sobrenatural, existiria maior vergonha que viver toda a jornada como se o Espírito Santo não existisse, como se Ele não habitasse pessoalmente dentro de nós? Portanto, ó cristão, se quiseres cumprir todos os seus deveres para com o Espírito Santo comece a tê-Lo presente no seu pensamento, recorde várias vezes o Seu amor, os Seus benefícios, e entre todas as suas devoções não falte, ou melhor, abundem obséquios e orações em Sua honra.

Momento para meditação pessoal
Oração
Ó Divino Espírito Santo, como eu me enganava pensando que fosse somente com os meus pecados que te contristaria! Agora sei que te contristei mais ainda quando te esqueci. Mas Quem é também o mais esquecido entre os fiéis? E se nem mesmo O recordamos ó Eterno Amor, como poderemos cumprir nossos deveres para Convosco?

Devemos gemer sobre a nossa ingratidão e pedi perdão. E ao Te perdirmos perdão, ó Espírito Santo, devemos acrescentar a promessa de honrar-Vos no futuro com atos de especial adoração e de verdadeiro reconhecimento. Sois autor e doador da graça, Santificador e Doce Hóspede da alma, por tudo isto com total devoção devemos voltar para Vós todos os nossos pensamentos.

Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

9º dia

Oração inicial
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.
Oração antes da meditação
Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.
Meditações

Os benefícios do Espírito Santo

Sem dúvida, os benefícios revelam o Benfeitor, e quanto mais excelentes e múltiplos são os benefícios, tanto indicam ser mais excelente e mais amoroso o Benfeitor. Nós nunca poderemos chegar a conhecer todos os benefícios que recebemos do Espírito Santo. A Igreja, por outro lado, com os nomes que O concede, nos mostra grande parte de suas graças: Chamando-O de Luz dos Corações, a Igreja nos revela a bela graça que Ele, o Espírito Santo, compartilha conosco através das explicações Divinas. Chamando-O de Fogo, nos recorda como por meio dEle vem ao nosso coração as chamas do Divino Amor. Como Doce Hóspede da alma, nos assegura a sua presença em nós. E ainda como Pai dos Pobres, Dispensador de Dons, Fonte Viva, Consolador Perfeito nos acrescenta múltiplos benefícios que recebemos incessantemente por Ele!

Pelas simbólicas formas que quis assumir para dirigir-se aos mortais, se conhece como melhor via, os benefícios do Paráclito.

No Batismo do Salvador, o Espírito Santo assume a forma de uma cândida Pomba. No Mistério da Transfiguração de Nosso Senhor, S. Ambrósio, S. Tomás e outros, reconhecem o Espírito Santo na fúlgida nuvem que aparece sobre o Tabor, simbolizando a amorosa proteção do Paráclito sobre nós, e ao mesmo tempo o princípio daquela sobrenatural fecundidade, que o próprio Espírito Santo infunde nas almas. Quando depois, aparece no Cenáculo como Celeste Fogo, distribui muitos dos seus benefícios, e principalmente aquele de esclarecer e de inflamar as almas de santos ardores; de comunicá-las a admirável atitude de fazer o bem e de conduzi-las a agir, não mais humanamente e segundo a natureza, mas divinamente e segundo a graça. E como o fogo converte em fogo aquilo que nele é imerso, assim o Divino Fogo do Espírito Santo se não pode fazer-nos divinos por natureza, torna-nos pela graça.

Admira, ó alma fiel, estas maravilhas de amor, e diz se não serão para ti grandes vantagens. Como devotos do Espírito Santo, seguramente possuiremos seus benefícios.

Momento para meditação pessoal
Oração

Ó Divino Espírito, entre todos os Vossos dons, existe um infinitamente mais precioso que os outros; Dom que não tem nome particular, porque sois Vós mesmo que verdadeiramente Vos doais às almas justas. Mas porque eu disse que Aquele Dom não tem nome? É claro que tem, dado por Vós, que o chamou Dom Altíssimo de Deus, e não existe outro nome que melhor O convenha. O que farão as nossas almas no fim desta Novena, ó Espírito Santo? Pediremos o Dom do Altíssimo Deus, Vós mesmo! E para obtê-Lo, deixaremos lugar no nosso coração, tirando todo afeto que não Vos agrada. E vós, Eterno Amor, o que fareis? Ah, fazei tudo o que fizeste no Cenáculo!

Vem! Vem! Vem! Visitai as mentes dos Vossos servos e enchei os corações de abundantes graças. Vem! E com as Vossas chamas, erradicai de nós o velho Adão. Vem! E se apossando das potências da minha alma e dos meus sentidos, regulai e dirigi todos os meus atos para Vós. Estendei todos os Vossos benefícios a todos os crentes, e assim obteremos mais rapidamente a renovação da face da Terra.

Oração Final
Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.
Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo
Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).
Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

***