PodCast #FalaPapa

Clique para ouvir o Podcast

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Como arrumar um(a) namorado(a) em Deus?



Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Quem aí quer encontrar uma pessoa para ter um namoro santo? Você deseja um dia casar e constituir uma família? Assista o video acima e confira as dicas. Abaixo um resumo.

***

Encontramos no livro bíblico de Tobias a história de Sara e Tobias. Sara era uma mulher que já havia casado sete vezes, porém um demônio matava o marido na noite de núpcias. Certo dia uma serva da sua casa a humilhou pela sua condição, e acusou-a dizendo que ela, Sara, era quem matava o próprio marido. Sara, então, diante dessa situação, fez um jejum e foi orar ao Senhor. Fez ali uma belíssima oração. E nessa oração está contido o segredo para você conseguir alguém que seja de Deus para um relacionamento santo.

"Vós sabeis que eu nunca desejei homem algum e que guardei minha alma pura de todo o mau desejo." (Tobias 3,16) - Portanto, você que deseja namorar o que tem a fazer é não desejar namorar. Explico-me: Sara fala para Deus que havia se casado não por mal desejo, mas por uma vocação. Ela se guardava pura de todo mau desejo. Sendo assim, ela não era dessas que ficam desejando namorar por impureza. Por exemplo, ela não ficava gritando "multiplica, Senhor" pra qualquer par de calças que visse. Ela não queria casar porque encontrou alguém sarado, bonito, rico, NÃO! Ela havia tido aqueles relacionamentos com outras intenções. Quantos rapazes também, por exemplo, querem namorar porque são levados por maus desejos: acham uma moça bonita, sentem uma atração sexual, e já dizem que tem porque tem que namorar com ela. Não se sabe mais diferenciar o estar apaixonado de uma simples atração física. Portanto, se queres encontrar alguém pra namorar, guarde teu coração de todo mau desejo. Busque conhecer o coração das pessoas. Não saia por aí querendo namorar porque você quer um Leonardo Dicaprio ou uma Gisele Bündchen, sendo levado por maus desejos. Tome jeito, jovem!

"E se consenti em casar-me, foi por vosso temor e não por paixão" (Tobias 3,18) Sara aqui confirma o que falei anteriormente. Ela desejava casar por temor de Deus, por amor a Deus que é autor dessa vocação. Não por paixão, por maus desejos, por atração meramente carnal. Não! Era por amor a Deus. Você quer casar por amor a Deus, porque realmente deseja viver o SACRAMENTO do matrimônio, ou é como os mundanos que veem no casamento apenas o lado sexual da coisa? Muitos namoram sem nem querer casar. Qual a lógica se o namoro é uma preparação para o casamento? O namoro é um período em que duas pessoas conhecem a alma um do outro - sim, a alma, e não o corpo! - para verem se são compatíveis. Mas há quem namore sem intenção de casar. Se você é desses: qual a lógica? Está usando uma pessoa, e isso é pecado.

"Nunca frequentei lugares de prazer nem tive comércio com pessoas levianas" (Tobias 3,17) No seu desabafo para com Deus, Sara fala isso que é de suma importância para você que deseja encontrar alguém: ela não foi frequentar lugares de pecado, nem tinha comércio com pessoas levianas. Ora, você quer encontrar um(a) rapaz/moça católico(a), que queira viver a integridade da fé, pró vida, que reza, etc., correto? Onde tens procurado? Então responda para você mesmo: quais os lugares que você tem frequentado? Que tipo de música você ouve? Quais são os teus amigos que você dá valor - no sentido de te influenciarem - te levam pro bem ou pro mal? A exemplo de Sara, meus irmãos, você não tem que ir procurar namoro em lugares de pecado. Dificilmente você vai achar o teu José ou a tua Maria, nos shows de sertanejo da vida, nas baladas, nas noitadas. Você quer um José? Você quer uma Maria? Onde ele estará? No show do Mr Catra? Acho que não.

Vale ressaltar que, se ela desejava casar por temor a Deus, se não frequentava lugares levianos... Obviamente está condenada a mentalidade de "enquanto não encontro a pessoa certa, me divirto com as erradas". Ora, se você quer namorar com alguém, como vai ficar "ficando" com os outros, por prazer, se ferindo em meio a carência, e ferindo. 

Quais músicas escutas? Tem certas músicas sertanejas e outras do estilo sofrência que, valei-me!, é uma derrota. Você está bem espiritual e emocionalmente, mas quando escuta, bate a carência. Aí qualquer conversa mole você cai. Ora, depois diz-se que homem e mulher nenhum presta. Mas o problema é que nãos sabemos esperar, e vamos agindo pelos sentidos - carnalmente apenas. 

O último trecho da oração de Sara que quero citar nesse port é: "Foi, sem dúvida, porque eu não era digna deles; ou, talvez, não eram eles dignos de mim; ou então me destinastes a outro homem." (Tobias 3,19) Confiemos na providência de Deus. Se deu errado, é porque não era de Deus. Nesse tempo de espera, medite sobre o que é o sacramento do matrimônio. Até mesmo busque fazer um encontro vocacional para vida religiosa e/ou sacerdotal, enfim, pode ser um caminho de Deus. Se não for, não temas, não vai fazer mal, pelo contrário, só acrescentará para tua vida.

Em suma, caríssimos, saibamos esperar em Deus. Pois Sara após esse rasgar do coração, teve sua oração ouvida por Deus, que enviou o Arcanjo São Rafael. O anjo então faz com que Sara e Tobias se encontrem e se casem. E o Anjo fala para o pai de Sara "Não temas dar-lhe tua filha, porque é deste piedoso servo de Deus que ela deve ser mulher. Por isso, nenhum outro pôde tê-la." (Tobias 7,12). Portanto, os sete maridos de Sara morreram porque não eram eles que deviam tê-la como esposa. Talvez os teus relacionamentos até hoje não deram certo, e talvez até tem feridas até hoje, porque não eram deles a pessoa preparada por Deus. Deus tem alguém pra você. Saiba esperar, para não acabar estragando o projeto que Deus tem pra tua vida. Espera em Deus!

Para finalizar, caríssimos, lembro que há alguns anos atrás quando rezava sobre namoro, uma moção do Espírito que me veio foi a seguinte: "a mulher perfeita para casar com você é aquela que antes de querer ter você como marido, queira ter Jesus como esposo." Portanto, sê fiel no propósito de encontrar uma pessoa pra um namoro santo. A pessoa que você se interessou quer ter Jesus como esposo? Ou, apesar de estar na IGreja - porque nem todo mundo que está na Igreja, nos grupos jovens, etc., quer ser santo - é apenas mais um lobo? Cuidado, muitos estão na Igreja, mas não querem viver a castidade, por exemplo. Enfim, essa pessoa que você está interessado, quer amar a Deus sobre todas as coisas? Pense nisso.

No mais a dica é: reze, peça a ajuda de São Rafael, da Sagrada família. Peça um sinal a Nossa Senhora. E antes de querer encontrar uma pessoa que queira ter Jesus como esposo da alma, seja você essa alma esposa. Você quer encontrar um José, viva você como Maria! Quer encontrar uma Maria, que tal começar a viver como José? E, após encontrar uma pessoa, que tal passarem um período rezando juntos para ver se isso é da vontade de Deus?

Jesus, Maria e José, nossa família vossa é!
Nossa Senhora da Pureza, rogai por nós!
Salve Maria!
Viva Cristo Rei!

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A SANTIDADE é ser fiel ao estado de vida





Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

O que é ser santo? Para muitos a santidade é passar a vida em longas orações. Para outros, no entanto, trata-se de labutar em demasiados trabalhos apostólicos. Mas o que de fato é ser santo?

Todos nós somos chamados a ser santos. Foi o próprio Deus que nos disse: "Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo" (Lev. 19,2). Ora, se é um pedido de Deus devemos ter em muita conta. Olhando os mandamentos que Nosso Senhor nos dá, podemos resumir a santidade em amar a Deus sobre todas as coisas e o nosso próximo como a nós mesmos. Porém, existe uma outra definição de santidade; e esta que quero trabalhar aqui.

Santidade é ser fiel ao meu estado de vida. Sim, muito simples, e muito complexo ao mesmo tempo. A prática do amar a Deus sobre todas as coisas e o nosso próximo como a nós mesmos passará por essa fidelidade ao meu estado de vida. A santidade não consiste em longas orações, simplesmente, nem em demasiados trabalhos apostólicos, mas em fazer a vontade de Deus. E a vontade de Deus para mim, no meu estado, é diferente para ti. Cada um deve corresponder ao seu chamado.

Há pessoas que acham que por rezarem mil Ave Marias diárias, por exemplo, são santas. Mas um leigo que até chegue a rezar tudo isso, mas não é fiel no seu estado de vida, pode ser chamado santo? Digamos que um jovem tenha feito o propósito de rezar um rosário completo (4 Terços) por dia; porém naquele dia sua mãe pede-lhe que lave a louça porque está muito cansada. Porém esse jovem que acha que ser santo é rezar muito, já rezou 3 terços, mas não vai lavar a louça porque se não não poderá cumprir seu propósito de rezar um rosário completo. Um jovem que é fiel na sua vida de oração sadia e na suas tarefas, esse é santo; não aquele que esconde a preguiça sob o véu da piedade.

Da mesma forma este que reza mil Ave Marias agora se preocupa porque ao fazer faculdade não poderá mais fazer suas devoções. Ora, se foi Deus que te fez o chamado a fazer tal e tal curso, pois quer usá-lo como instrumento, estudar não irá te afastar dEle. Muito pelo contrário. "Ah, mas não poderei fazer minhas longas orações". Jovem, anta piedosa, Deus não está te pedindo que reze Mil Ave Marias diárias, mas que tenha uma vida de oração saudável e frutuosa que te leve a fidelidade no teu estado de vida. Ora, não reze Mil, reze um Terço diário, faça visitas - mesmo que rápidas - ao Santíssimo, medite, enfim, e estude/trabalhe. 

Não podemos agir de maneira auto piedosa "ai, eu adorava por 10 horas quando mais jovem... hoje, dou conta mais não". Se antigamente se rezava por longas horas é porque é o contexto daquela realidade. Porém se você, por exemplo, é casado, você é tão santo ou mais, rezando apenas um terço diário - de preferência em família - porém sendo fiel no trabalho, sustento e educação cristã dos filhos. Se um homem ou uma mulher, casados, rezassem 10 horas por dia, mas em contrapartida fossem infiéis no sustento da casa, ou largassem a educação cristã, enfim, tivessem o lar em desordem, estaria sendo santo?

Santos como Santa Teresa de Ávila, por exemplo, foram místicos. S. Teresa, aliás, é doutora da Igreja, mestra de oração, mas a oração não a afastou das suas obrigações ordinárias do convento. Ela, na função de fundadora de convento, nunca disse "ah, hoje eu não vou viajar pra fundar mais um convento não, porque se não vai me atrapalhar na minha vida de oração". Sabe por que? Porque aí a oração tornar-se-ia uma vaidade.

A oração nos dá força para superar os problemas da vida. Mas ela não pode ser uma desculpa para eu me esconder. Se o mundo é mal, é na vida de oração e na minha ação que as coisas mudarão. Rezar não me tira a responsabilidade que Deus me deu. Entenda isso.

Uma explicação: falo para aqueles que tem vida ativa. Se ao trabalhar, estudar, só queres rezar, não vê sentido no trabalho secular, então vos recomendo que procure um vocacional, pois pode ser que sua vocação seja a vida religiosa. Talvez seja chamado a ser monge. Mas já aviso que mesmo na vida religiosa se terá trabalhos manuais. No convento vos espera, homens, uma enxada pra capinar a horta. Mas tudo se faz com espírito de oração. ISso que devemos ter. Como diria o monge S. Bento: Ora et labora - orai e trabalhai!

Da mesma forma, ser santo não é empenhar grandes trabalhos apostólicos. Vou dar um exemplo de santidade que pude contemplar num irmão pregador. É um pregador bastante famoso, prega no Brasil todo, é casado, tem 4 filhos, se não me engano. Ora, um dia ao ser chamado pra uma missão, liguei para ele chamando-o para ir também, já que pediram outro pregador junto. Ele disse-me, no entanto, que não poderia porque como se tratava de Semana Santa, ele não pegava missão para poder ficar com sua esposa e ajudá-la a levar as crianças para a Missa, já que são muitas celebrações. ISSO É SANTIDADE! Noutra vez chamei-o novamente para uma missão aqui, ele disse-me que também não poderia, pois sua esposa estava grávida já prestes a dar a luz, e ele não estava pegando missões naqueles dias para poder ficar com ela e ajudá-la quando a criança nascesse. ISSO É SANTIDADE! Por que citei este belíssimo exemplo? Porque embora seja bom e importante a missão dos leigos como pregadores do Evangelho, não adianta nada pregar mas não ser fiel ao seu estado de vida. A santidade para nós, leigos, não está em pegar missões por cima de missões, mas muitas vezes ser santo é dizer NÃO para alguns convites. Aqueles que são casados, como pregarão sobre a família se não ficam quase nada com a esposa e os filhos por causa da gana de pregar? Repito: vocês tem que pregar! Porém, precisam do dom do discernimento para saber quando Deus está chamando para pregar, e quando chama a ficar com a família. Leve-os nas suas missões, quando possível.

Por isso, irmãos e irmãs leigos, casados, pregadores do Evangelho, cuidado com os que vos  chamam para pregar e, diante de uma recusa sua para ficar com a família, dizem "quem amar pai, mãe, mulher, mais do que a mim - disse Jesus - não é digno do Reino". Afinal, isso está fora do contexto. Isso é voltado mais para quem é chamado a vida religiosa. Você é religioso? Não, é casado. ENTÃO SEJA FIEL AO TEU ESTADO DE VIDA, NÃO VIVA UMA CARICATURA DE OUTRO ESTADO QUE NÃO É O TEU. Olhe pra anta que vos disse isso e fale: o matrimônio é um sacramento, por isso o esposo, para a mulher, é JESUS; e a esposa, para o homem, é JESUS. Deus está presente. Se eu abandonar minha esposa (marido) e meus filhos, estarei abandonando o próprio Cristo.

Porque tá cheio de gente que prega pra multidões, mas não ensina uma bem aventurança para os próprios filhos. Repito: PREGUE O EVANGELHO, mas tenha discernimento.

Você não vai ser santo por pregar 10 vezes em todos os fins de semana.Você vai ser santo pregando todas as vezes que DEUS te chamar sendo fiel na viva pregação do testemunho da tua vida. Afinal, já dizia Santo Agostinho "Eloquente aquele cuja vida é uma pregação".

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Por que a insistência da Ideologia de Gênero nas escolas?



Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Sou muito ansioso. Resolvi então vasculhar daqui, fuçar dali.. Então achei um material de uma disciplina que cursarei na faculdade no 1º Semestre. E o material didático da instituição está repleto de conteúdo sobre ideologia de gênero.Dando uma lida constatei que fala-se claramente de "construção social" e aplica essa teoria à crianças menores de 10 anos.
Ora, não é nenhuma novidade que na universidade vão ensinar este tipo de coisa. Posto isso aqui pelo seguinte motivo: acredito que a maioria esmagadora de quem faz Pedagogia faça para ser professor(a) infantil; levando em consideração que muitos não estão ligados na questão da doutrinação, e que não tenha espírito crítico, logo engolirá o que o material diz e/ou o que o professor vomita na sala de aula sem pesquisar se de fato tudo aquilo é real.
Resultado: Os futuros professores de ensino INFANTIL estarão induzidos a aceitar e ensinar a ideologia de gênero para os vossos filhos. Isso somado as orientações e materiais do MEC. Você sente qual é o tamanho do problema?
Mas, mais do que reclamar da vida e achar que já era, que tal os bons se engajarem na luta? O ideal nós temos, faltam soldados.

"A audácia dos maus se alimenta da covardia e da omissão dos bons" (Papa Leão XIII)

Clique aqui e conheça o Blog Educa Certo
Para você que não sabe muito bem o que é a ideologia de gênero, talvez até estudou-a na escola e/ou faculdade mas sem prestar muita atenção, acesse os links abaixo e saiba mais o que é essa nefasta ideologia que visa perverter a inocência e destruir todo conceito familiar tradicional:


Para entender melhor, deixo a seguir o link do livro "A agenda de gênero - Redefinindo a igualdade" por Dale O'Leary: http://www.votopelavida.com/agendagenero.pdf

Documentário "O paradoxo da igualdade" (aviso que nos minutos iniciais aparece uma imagem obscena): https://www.youtube.com/watch?v=bPFvtCOLZZw

Livros didáticos do MEC incluindo a ideologia de gênero para crianças: http://educacerto.blogspot.com/2016/01/mec-nao-desiste-livros-de-2016-para.html

De que lado iremos ficar: da verdade e da defesa da pureza das crianças e jovens, ou da mentira dos ideólogos de gênero?

sábado, 23 de janeiro de 2016

O Milagre do Sol, “para que todos acreditem”

Quase um século atrás, o sol dançava na Cova da Íria, em Portugal. O significado e o alcance daquele acontecimento são, obviamente, muito maiores do que a própria mensagem de Fátima: a salvação das almas que Cristo comprou com o Seu sangue na Cruz.
EM OUTUBRO FAREI O MILAGRE, para que todos acreditem [1], disse Nossa Senhora aos três pastorinhos de Fátima, em 13 de setembro. O “Milagre do Sol” – como ficou conhecido o evento sobrenatural que se deu na Cova da Íria, um mês depois – transformou o que era uma mera "revelação privada" em um autêntico apelo de Cristo à Sua Igreja [2]. Não só o conteúdo da mensagem de Fátima dizia respeito à Igreja do mundo inteiro (afinal, quem está dispensado de rezar o Rosário ou fazer penitência pela conversão dos pecadores?), como a sua própria comprovação se deu publicamente, de maneira extraordinária: no dia 13 de outubro de 1917, “o sol dançou” diante de mais de 70 mil pessoas, homens e mulheres, pobres e abastados, sábios e ignorantes, crentes e descrentes.
No dizer de um eminente professor de ciências de Coimbra, o que aconteceu naquele dia foi que o sol "girou sobre si mesmo num rodopio louco". "Houve também mudanças de cor na atmosfera" e, por fim, "o sol, girando loucamente, parecia de repente soltar-se do firmamento e, vermelho como o sangue, avançar ameaçadamente sobre a terra como se fosse para nos esmagar com o seu peso enorme e abrasador". O parecer do Dr. José Maria de Almeida Garrett se conclui com uma perplexidade: "Tenho que declarar que nunca, antes ou depois de 13 de Outubro, observei semelhante fenómeno solar ou atmosférico".
Para o povo mais simples, o milagre se resume em bem menos palavras. Simplesmente, "o sol dançou". Mais do que descrever fisicamente o fenômeno, o que interessava à maioria das pessoas era o que não se podia ver, mas que ficara patente por aquela portentosa obra que eles tinham diante dos olhos: Nossa Senhora verdadeiramente apareceu a três humildes pastorinhos em Fátima.
A Lúcia, Jacinta e Francisco, de fato, mais do que ver o físico e pressentir o espiritual, foi dada uma visão bem mais abrangente da realidade: a Virgem,
"Abrindo as mãos, fê-las reflectir no sol. E enquanto que se elevava, continuava o reflexo da Sua própria luz a projectar-se no sol. (...) Desaparecida Nossa Senhora, na imensa distância do firmamento, vimos, ao lado do sol, São José com o Menino e Nossa Senhora vestida de branco, com um manto azul" [3].
Na última aparição da Virgem de Fátima, portanto, brilha aos videntes a imagem da Sagrada Família de Nazaré. Esse fato pode indicar – juntamente com uma recém-revelada carta da Irmã Lúcia ao Cardeal Carlo Caffarra [4] – que, realmente, "o confronto final entre o Senhor e o reino de Satanás será sobre a família e sobre o matrimônio". Quando o caminho ordinário de santificação da humanidade, que é o casamento, se encontra obstruído pela produção desenfreada da pornografia e pela popularização dos "pecados da carne" – os quais constituem, segundo resposta da Virgem à pequena Jacinta, a classe de pecados que mais ofende a Deus [5] –, o resultado só pode ser uma perda incalculável de almas (realidade a que a Mãe de Deus já tinha aludido, quando deu às mesmas crianças a visão do inferno).
Tal cenário desolador já tinha começado a delinear-se em Portugal, com a aprovação da lei do divórcio, em 1910, e a separação entre Estado e Igreja, em 1911. Compreensível, pois, que, soado o alarme, Nossa Senhora descesse do Céu para renovar à humanidade o apelo divino à conversão e à penitência.
Naquele 13 de outubro, em particular, a Virgem Santíssima tinha um pedido em especial, que ficaria gravado no coração dos pastorinhos. "Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor, que já está muito ofendido" [6], ela dizia. Antes da agitação que se seguiria ao Milagre do Sol, é esta a mensagem que porta aos homens a toda santa Mãe de Deus: que os homens parem de pecar e ofender a Deus.
A observadores mundanos, tal recado – combinado com a ameaça de um severo castigo – poderia parecer "arcaico" ou mesmo "irrealista" para o homem moderno. – Um "espírito" que vem dos céus para falar de "pecado"? Em que século a autora dessas aparições acha que estamos? – Pois bem, é justamente no século XX que Nossa Senhora aparece, e é a mesma mensagem de dois mil anos atrás que ela carrega consigo: "Fazei tudo o que Ele vos disser" ( Jo 2, 5).
Se, por um lado, os tempos mudaram, o ser humano continua o mesmo e os perigos que rondavam a humanidade na época de Cristo não mudaram. Para ser católico e seguir Jesus, nada tão básico quanto o apelo de Fátima: "Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor". Ali, o Milagre do Sol não existia apenas para confirmar a aparição de Maria, mas para realizar um outro milagre, muito maior e mais extraordinário que qualquer outro prodígio [7]: a justificação das almas, a conversão dos pecadores. "Para que todos acreditem" em Jesus e, acreditando, tenham a vida eterna. Para que, de inimigos de Deus e habitantes do inferno, os homens se transformem em amigos de Deus e herdeiros do Céu. Para que se diga, enfim, desta civilização pagã e ateia, o que foi dito dos primeiros convertidos à fé: "Onde abundou o pecado, superabundou a graça" (Rm 5, 20).
Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. ALONSO, Joaquín María; KONDOR, Luigi; CRISTINO, Luciano Coelho. Memórias da Irmã Lúcia. 13. ed. Fátima, 2007, p. 180.
  2. Cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 67.
  3. ALONSO et alMemórias da Irmã Lúcia. 13. ed. Fátima, 2007, p. 180.
  4. PICCIAFUOCO, Maria Pia. Il Cardinale racconta: Suor Lucia mi scrisse.... In: Voce di Padre Pio, mar. 2008, p. 74.
  5. ALONSO et alMemórias da Irmã Lúcia. 13. ed. Fátima, 2007, p. 125.
  6. Ibid., p. 97.
  7. Cf. Suma Teológica, I-II, q. 113, a. 9.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Se Maria não é Mãe de Deus... Jesus não é Deus?

Ao rebaixar a Santíssima Virgem Maria à uma mulher comum, o protestante ignorante está rebaixando Jesus à um homenzinho comum. Eis o trecho de um comentário que recebi no meu blog: "Deus e Deus ele nao tem mae ele e o criador de tudo..,. saiba diferenciar jesus e Deus" - Isso mesmo, o autor do comentário manda-me diferenciar Jesus de Deus.
Bom, ele estaria correto se Jesus fosse um homem. Mas JESUS É DEUS feito homem. Ele manda diferenciar Deus de Jesus, mas a Sagrada Escritura afirma:
"No princípio era o Verbo (Jesus), e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio junto de Deus. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito. Nele havia vida, e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.[...]O Verbo era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem.[...]E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade." (João 1,1-5;9;14)
Ora, a Palavra diz que no princípio estava o Verbo, e que o Verbo estava junto de Deus e - segura essa, seu herege! - este Verbo (Jesus) era Deus. E o Verbo, ou seja, Deus se faz carne e habita entre nós. Se Jesus é Deus, e sendo Deus se faz carne e habita entre nós; todo o processo se deu no ventre puríssimo de Nossa Senhora. A carne de Jesus é 100% carne de Maria, o sangue de Jesus é 100% do sangue de Maria. Portanto, Maria Santíssima é Imaculada Mãe de DEUS sim! Qual a dificuldade em entender isso? Negar a maternidade divina e as demais glórias da Santíssima Virgem, é rebaixar o Cristo, afinal, toda glória dEla é reflexo da divindade de Jesus.
Se Maria fosse minha mãe carnal, Ela seria a mãe de um pecador qualquer; mas Ela é Mãe - ver-da-dei-ra-men-te MÃE DE JESUS CRISTO, DEUS DE DEUS, LUZ DA LUZ, DEUS VERDADEIRO DE DEUS VERDADEIRO, GERADO, NÃO CRIADO, CONSUBSTANCIAL AO PAI! Portanto, muito cuidado ao falar de Maria Santíssima, pois Ela gerou Deus em Seu ventre. Muitos se acham importante porque carregam uma bíblia debaixo do braço e podem pregar sobre ela, porém, Nossa Senhora teve Deus de Deus no Seu ventre. Joga fora esse orgulho, caro protestante, que tá feio!
Se a carne e o sangue de Jesus vem 100% de Maria, essa tua ignorância, irreverência, indiferença, ódio, vem 100% de quem? Só se for do diabo, pai da mentira e que tenta ferir o calcanhar de Nossa Senhora (cf. Gênesis 3,15). Afinal, Em Apocalipse 12,13-15 vemos que o dragão perseguia a Mulher (Mãe do Menino que deveria governar as nações; e se o menino é Jesus, óbvio que a Mãe é Maria - cf. Lc 1,32-33), e após a a Santíssima Virgem se retirar para o deserto, o dragão começa a vomitar um rio de água para tentar submergi-la. Esse vômito satânico contra a Mulher são justamente essas blasfêmias vomitadas contra Nossa Senhora. E as maiores atrocidades proferidas contra a Mãe de Deus são publicadas justamente nesses últimos tempos. Se você costuma falar mal de Nossa Senhora, desprezá-la, e até chamá-La de coisas que não quero citar aqui neste texto, saiba que você está a serviço do capeta vomitando blasfêmias contra a Mãe de Jesus.
Portanto, decida-se hoje: ou você é da descendência da Mulher (Maria) ou da do capeta (cf. Apocalipse 12,17). Quer ser de Jesus e blasfemar contra Maria e, nessa onda de rebaixá-La, rebaixar o Cristo, ganhar o Céu? Escolhe um lado: Capeta ou Nossa Senhora?
Faz o seguinte: converta-te a fé católica, confessa, e pede perdão a Virgem Mãe Imaculada! ;*
Salve Maria Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe!

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Por que farei Pedagogia?

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Caríssimos tenho uma boa nova a anunciar-vos: voltarei para a faculdade. Não, não voltarei ao Direito, nem farei Filosofia, Teologia, Sociologia, Engenharia, nem tão pouco Medicina. O curso que farei é Pedagogia. Sim, irei fazer faculdade de Pedagogia.

Recupere-se do susto! Afinal, boa parte dos que contei pessoalmente da minha decisão faziam caras surpresas e/ou indicava outros cursos que seria bem mais rentável. Porém, a felicidade do homem está em cumprir a vontade de Deus, em assumir seu papel, dado por Ele, para alcançar a sua missão. Minha meta não é enricar, a vibe aqui é outra.


Para saber qual a razão - ou melhor, as razões que me levaram a optar pela Pedagogia, assista o video acima. Abaixo apenas farei algumas ponderações. Mas, tanto em uma como na outra cito pouca coisa, afinal foi todo um processo de amadurecimento, autoconhecimento, lutas, e manifestações providenciais de Deus mostrando-me o caminho.

Estava eu estudando um documento da Igreja chamado Sexualidade Humana: verdade e significado – Orientações educativas em família – do Conselho Pontifício para a família -, para preparar os videos da série sobre sexualidade no meu canal no Youtube; e então comecei a perceber o quanto o referido documento citava a importância não só dos pais, mas dos educadores nas escolas a respeito do tema. Fui vendo o ensinamento da Igreja, e constatando que foi completamente o contrário o que vivenciei no meu tempo de escola. Como já várias vezes citei, foram algumas funcionárias do Estado numa escola que estudei, e, numa turma de 5º série, quando eu tinha 10 anos de idade, dando orientações sobre sexualidade, falaram que os rapazes mais novos que não ejaculassem deviam aproveitar, afinal, não corriam o risco de engravidar nenhuma moça. Sim, isso foi falado numa turma de crianças. Eu tinha 10 anos. E quase 14 anos depois, como está essas coisas nas escolas? Então fui sendo incomodado por Deus, na minha consciência, de que alguém deveria fazer alguma coisa. E esse alguém não viria de marte, mas estava sentado lendo enquanto deveria unir isso ao agir.

Diante do MEC enfiando doutrinação marxista, da teimosia da imposição da ideologia de gênero; de vários professores marxistas apoiando tais absurdos e até estampando em redes sociais cartazes com dizeres “vamos ensinar gênero para o seu filho sim”; diante da calamidade educacional que podemos constatar, posso aplicar o que dizia Aristóteles: “Onde as necessidades do mundo e os seus talentos se cruzam: aí está a sua vocação”. Ora, não podemos apenas reclamar do mundo, caríssimos, não. Se vemos a necessidade do mundo, e se temos a capacidade para tal, a vocação dada por Deus, pecamos por omissão se ficarmos apenas no Facebook reclamando da vida enquanto deveríamos agir. Sim, devemos entrar nas universidades, pesquisar, estudar, se sacrificar, dar a vida. A pureza e a vida de uma criança valem todo e qualquer sacrifício. Mas, muitos não querem trabalhar na Pedagogia, ou serem professores de alguma outra matéria, porque não terá retorno financeiro. Quanto custa o futuro do país? A sua conta gorda no concurso badalado, enquanto tinha vocação pra ser professor, pode ser o preço de alguém que poderia ser e não é, porque fora lhe tirado a chance do saber, para dar-lhe estrume na escola.

A Pedagogia não é um curso para mulheres serem professoras infantis, não, não maus caros. A Pedagogia pe muito mais que isso! É estudar, trabalhar, pesquisar, respirar educação. É um campo muito vasto. Infelizmente desde que me decidi fazer Pedagogia, ao entrar em alguns grupos no facebook que são da área, me deparo apenas com alunos reclamando das faculdades, de problemas em matriculas, com notas, mas, no entanto, pouco ou nada se vê sobre a essência da educação: pesquisar, buscar uma solução, uma discussão sobre educação que seja não se vê. Apenas a mediocridade de quem quer apenas concluir o curso pra fazer um concurso público qualquer ou apenas lecionar numa escola fazendo o simples, reclamando do stress de ser professor e do baixo salário. Sim, o professor ganha pouco, é desvalorizado, mas, exatamente por isso ele tem que tomar o exemplo de Cristo, que em troca do Amor recebeu a cruz. Sim, recebamos a cruz do desprezo, mas demos-lhe de volta o ardor da nossa profissão, o ardor de quem quer mudar este mundo que jaz sobre o maligno, mesmo sem receber nada em troca, porque o futuro de uma criança vale mais. Ora, nas universidades não deveriam estar os corações pulsantes, joviais, a buscar novos métodos? Mas o que vejo é gente querendo fazer a mesma coisa, e os resultados da educação serão sempre os mesmos ou piores. Sim, porque nos entregamos a mediocridade de querer apenas um diploma, e não entrar pra história. Mesmo que não sejamos lembrados nos livros – essa não é a intenção -, mas se fizermos o que tem que ser feito, entraremos pra história de cada aluno que teve a vida transformada, que foi liberto das trevas da ignorância, que foi tirado de uma vida fadada ao fracasso – intelectual, moral, espiritual – mas que foi salvo porque apareceu um professor que amava a profissão. Mas, onde estão essas almas? Preciso encontrá-las para me inspirar.

Enfim, o fato, meus irmãos, é que perguntando pra Deus daqui, questionando-me dali. Achando-me fraco, incapaz, enfim. Repostas vinham, mas após as dúvidas também. O fato é que resolvi fazer a novena de Santa Teresinha do Menino Jesus. Essa novena é conhecida por quem fizer receber uma rosa como sinal da graça pedida. Ora, fiz-a perguntando para Santa Teresinha se devia mesmo fazer faculdade de Pedagogia. Durante a novena não recebi uma rosa, mas recebi uma lapada de glória, uma clareada. Fui pregar em Planaltina-GO, e num momento sai para fora do ginásio, e de repente uma duas crianças entravam de onde saía, e um garoto com um Terço no pescoço (para nós, católicos, o Terço é uma coroa de rosas pra Nossa Senhora) aponta para mim e diz: DEUS! - Perguntei “Quê?” Ele disse: DEUS! - Porquê? - questionei-o. E ele disse que porque sim. Ora, aquilo para mim era bastante claro. Como não responder ao clamor de uma criança que diz DEUS! Se não eu, quem dará Deus para aquela criança? Os marxistas que querem enfiar goela abaixo a ideologia de gênero? Estava claro para mim. Mas, apesar disso, fora da novena, na primeira sexta do mês – dedicado ao Sagrado Coração de Jesus – recebi uma rosa, exatamente no dia anterior em que faria o vestibular. Como um sinal de Deus por Santa Teresinha: força! É vontade de Deus mesmo, não é da carne. Coragem!

Um fato que até não contei no video, é que quando comecei a me questionar se devia ser professor, perguntava interiormente a Nossa Senhora e pedi-lhe um sinal. Fui então para a Câmara dos Deputados onde estaria sendo votado um PL pró vida; antes, porém, passei na Catedral. O fato é que quando estava na Câmara, e fui até o Senado com um amigo, pois lá também estava tendo audiência com a temática do aborto, um assessor foi apresentar-nos para uma pessoa, e disse: Esse é o Dr fulano, advogado, nos ajudou... E ao me apresentar (não me conhecia) apontou e disse: Esse é o PROFESSOR Anderson... Ora, até sorri, mas aquele assessor mesmo sem saber, foi usado por Nossa Senhora para confirmar o que perguntava em minhas orações. Falo isso só para verem que foi um longo processo e que Deus e a Virgem Maria sempre nos respondem, se nós clamamos de coração e se observarmos bem. Não esperem a voz de Deus vindo das nuvens, Deus fala-nos na nossa vida, nos nossos anseios, pelas pessoas ao nosso redor, por uma criança a dirigir-se a nós.

O fato é que aqui estou eu clamando aos vossas orações para que eu possa ser fiel às inspirações de Deus. Sei das minhas limitações (que são muitas), mas sei que não sou eu, mas é Deus que é capaz em mim. Devemos ser apenas dóceis a vontade de Deus. No fundo olho pra minha vida e digo: nossa, tudo faz sentido. Agora parece que se encaixa tudo. Temo o futuro, confesso, mas Jesus já venceu o mundo.

No mais, caríssimos, rogo-vos que se Deus vos chamar a trabalhar na área da educação, não recuseis. Não deixe de fazer Pedagogia, Letras, Matemática, Biologia, Física, enfim, se és chamado a ser professor, não recuse por causa dos baixos salários. A vida de uma criança vale muito mais. Sim, é justo lutarmos para que o professor seja mais valorizado. Mas de que adianta conquistar o mundo inteiro fazendo outras coisas que nos darão dinheiro, se não teremos a alma saciada por estar fazendo aquilo que Deus nos mandou. Deus provê, Deus proverá, Sua Misericórdia não nos faltará.

Se não tu e eu, quem Deus enviará?

"Os maus não são bons, porque os bons não são os melhores, porque os melhores não são ótimos e porque os ótimos não são santos." (Monsenhor Jonas Abib)

Abaixo posto duas citações do livro A alma de todo apostolado, onde vai citar o papel do professor (devemos ser professores de vida interior, de oração):

Após cinquenta anos de liberdade de ensino em França, após esse meio século que viu a eclosão de obras inumeráveis e durante o qual nos passou pelas mãos a mocidade francesa e logramos, nós católicos, o apoio quase completo dos governantes, qual a razão por que, a despeito de resultados aparentemente gloriosos, não pudemos formar na nação maioria tão profundamente cristã que lutasse contra a coligação dos sectários de Satanás? Certo que o abandono da vida litúrgica e a cessação da sua irradiação, sobre os fiéis contribuíram para esta impotência. A nossa espiritualidade tornou-se acanhada, árida, superficial, exterior, ou inteiramente sentimental, e não mais possui aquela penetração e aquele incitamento da alma que causa a liturgia, essa grande força de vitalidade cristã.
Mas não existirá também outra causa no fato de nós, padres, educadores, à míngua de vida interior intensiva, não termos podido gerar senão almas de uma piedade superficial, sem ideal poderoso e sem profundas convicções? Professores, não temos sido nós mais zelosos em alcançar o êxito dos diplomas e o prestígio da obra do que em dar às almas uma solidíssima instrução religiosa? Não temos despendido as nossas forças sem visar sobretudo à formação das vontades, para gravar em caracteres de rija têmpera a imagem de Jesus Cristo? E essa mediocridade não terá tido tantas vezes por causa a banalidade da nossa vida interior?

****


O professor sem vida interior julga ter cumprido o dever, conservando-se exclusivamente dentro das balizas de um programa de exame. Se. fora interior, uma frase que lhe escapasse dos lábios e do coração, uma comoção que se lhe espelhasse no rosto, um gesto expressivo, que digo? só a maneira de fazer o sinal da cruz, de dizer uma oração antes -ou depois de uma aula, embora fosse aula de matemática, poderiam exercer maior eficácia nos alunos que um sermão.
 
Acesse o meu novo blog onde postarei coisas sobre Educação: Educa Certo!

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Renovando a face da terra pela EDUCAÇÃO CATÓLICA

São João Bosco, eis um grande exemplo de
educador católico da qual devemos buscar
nos espelhar.
Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

“Se enviais, porém, o vosso sopro, eles revivem e renovareis a face da terra”. (Salmo 103,30)

Vejo nesse versículo o sentido de buscar ser professor, pedagogo; pôr minha vida a serviço do estabelecimento de uma verdadeira educação católica.

Infelizmente vemos muitas crianças e jovens mergulhados na impureza, na imoralidade, na perversão total dos costumes. Não conhecem a Deus nem a dignidade humana. Sem Deus, sem sentido na vida; soma-se também à falta de educação intelectual e moral sólidas. Vemos, portanto, crianças e jovens que crescem para a morte – do corpo e da alma.

Mas – bendito seja Deus! - o Salmo nos fala que se Deus envia o Seu sopro (Espírito Santo), eles reviverão e renovar-se-á  a face da terra. Por mais que a juventude caminhe para a morte, Deus, por Seu Santo Espírito, os reviverá. E aqui está o papel do pedagogo e demais professores e profissionais católicos da educação: ser o instrumento que levará o Espírito Santo a eles, para que revivam. Levemos nosso tesouro que é Jesus para as crianças e jovens, e os salvaremos da morte do pecado. Querem educá-los para baixo, sim, para uma baixeza que reduz o homem a uma caricatura animalesca; o professor católico, no entanto, educa para o Céu. A sua vida mesmo deve apontar para o Céu.

Educando para o Céu, na prática das virtudes, pela ação do Espírito Santo, que por Suas luzes dissipam as trevas da ignorância, será renovada a face da terra. Não eduquemos apenas para termos bons profissionais; eduquemos para termos e santos cristãos. Notareis a diferença! Com o sopro do Espírito Santo numa nova educação católica, veremos como o mundo mudará: estes que estavam fadados à morte do pecado e da ignorância, hoje são virtuosos trabalhadores nas fábricas, lojas, na política, na polícia, na imprensa, no serviço de limpeza, nos hospitais, enfim, em cada lugar da sociedade haverá um homem e uma mulher de Deus, que fará certo e em santidade o seu trabalho, porque foram educados para o Céu. Aí poderemos ver que, verdadeiramente, Deus está renovando a face da terra.

E vós – nós, por que não? - professores, sois instrumentos dessa renovação. Quereis vos deixar ser usados por Deus para renovar a face da terra educando as novas gerações para o Céu, ou se entregará a mediocridade deixando os servos do demônio destruírem a pureza, o corpo, a alma e a vida intelectual deles (jovens e crianças)?


quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

O caminho do Céu não é tão difícil como o mundo pensa



Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Talvez pelo motivo de muitas vezes termos de corrigir as ilusões de um caminho doce, sem cruz, sem necessidade de renúncia, de mudança de vida, enfim, de um cristianismo sem necessidade de conversão, acabamos por nos esquecer de que, na verdade, o caminho do Céu não é tão difícil. Pelo menos não como o mundo acha.

Pode parecer estranho, porém, o caminho do mundo, ou seja, do pecado, do demônio; o caminho que conduz ao inferno é muitíssimo mais difícil que o caminho que conduz ao Paraíso. Irracionalmente o ser humano em não pouco número, infelizmente, prefere o caminho do pecado, ou seja, da morte, ao invés do da vida eterna, embora muito mais tormento se tenha no caminho do mundo do que no do de Deus.

São Francisco de Sales faz uma meditação sobre a alma que delibera em escolher o Céu ou o Inferno, no livro Filotéia, e eis que coloca na boca dos santos que chamam a alma (todos nós) para escolhermos o caminho do Céu ao invés do mundo que conduz ao inferno: vem, o caminho do Céu não é tão difícil como o mundo pensa. Nós o vencemos e eis-nos no termo: enceta-o, mas com coragem, e verás que, por um caminho incomparavelmente mais suave e feliz do que o do mundo, chegarás ao auge da glória e da felicidade.” Ó, que verdade profunda é essa que S. Francisco de Sales nos recorda! Ó, mas quão infeliz é o mundo que, apesar de viver em profundas amarguras, prefere continuar nos sofrimentos do mundo que passa e conduz a morte, mas não renuncia seus prazeres desonestos para abraçar a vida devota, suave, que o doce Jesus nos dá.

É por isso que o nosso Amado e Doce Jesus nos ensina no Evangelho: “Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso é leve” (Mateus 11,28-30). Veja quão consoladoras são as palavras de Nosso Senhor! Ah se compreendêssemos essa verdade! O jugo de Jesus é suave, seu fardo é leve; todos podemos viver o que o Senhor nos pede. Por outro lado, porém, pesado é a vida que se leva no mundo. Por isso vos imploro, ó jovens, adultos; homens ou mulheres; héteros, homossexuais; enfim, quem quer que seja que está lendo este mísero blog agora, não importa o que você já viveu até agora na sua vida, o que importa é que se já sofre e geme sob o jugo do mundo, do pecado, das misérias das quais se encontra agora, renuncie a este caminho funesto do mundo, e assuma a doutrina de Jesus, pois Seu jugo é suave, seu fardo é leve. E embora na vida todos passaremos por sofrimentos, no caminho do Céu temos a doce consolação da e na Cruz; no mundo só o remorso destruidor, revoltas, blasfêmias, e o vazio extremo que se sente na alma, o vazio existencial. Quanto mais se peca, mais fica a vista o buraco na alma, no coração; buraco este que só pode ser tapado, preenchido pelo amor de Deus. Quem vive nos caminhos do mundo, embora embriagado pelos prazeres mundanos, experimenta-se antecipadamente o inferno. Já quem está no caminho do Céu, sob jugo mais leve, embora haja sofrimentos na vida, embora esteja na cruz, já experimenta-se as delícias celestiais.

Para termos uma pequena ideia de que quem vive no mundo sofre mais e, pasmem, esforça-se muito mais para pecar do que os que estão no caminho do céu esforçam-se para viver a virtude, basta compararmos a rotina de alguns mundanos – que queira Deus, se vós que ledes sois um desses, hoje mesmo a Misericórdia de Cristo te alcance e te transforme por Sua graça redentora. Enfim, o demônio inspira as pessoas um ódio profundo a vida cristã, mostra-lhes o pseudo peso, as cruzes, e inculca em suas mentes que viver o Evangelho tal qual Jesus pregou é impossível; porém, por outro lado, mostra as supostas delícias do mundo e lhas oferece: sexo livre, alcool desordenado, drogas, fama, poder, dinheiro, todas as comodidades que o poder mundano pode oferecer. E, tais quais escravos, os que deram ouvidos as sugestões do demônio, se põe a trabalhar freneticamente durante toda a vida para conseguir a felicidade nessas coisas que passam; e para tristeza dos adeptos da sedução satânica, passam sem nem mesmo chegar ao auge, ou seja, o prazer de tais pecados passam e a felicidade plena não chega. Sabe por quê? Porque a felicidade está na outra estrada, na celestial, está no fim dela, ou seja, em Deus.

O demônio cega-as com os prazeres, e quando estes não as satisfazem, ele lhes inspira prazeres maiores, ambições maiores, fama maior, doses maiores. E faz isso até conduzi-los a morte.

Muitos, sob inspiração do demônio (pois “quem peca é do demônio” (1João 3,8) – ou seja, quem permanece em pecado mortal) vivem freneticamente sob um jugo pesado: trabalha e estuda freneticamente para ganhar mais e mais dinheiro; já durante a própria semana vai-se pras baladas; sexta, sábado e domingo a balada aumenta e, sem forças naturais, usa-se drogas que o fará ficar agitado durante o frevo; isso não o preenche, busca a felicidade no sexo: namora, usa, é usado, faz sofrer, sofre, larga pois não foi feliz. Procura-se as prostitutas e/ou prostitui-se. Mas não é feliz. O mundo se ocupa 24h por dia procurando a felicidade nas coisas desordenadas que o demônio lhe inspira, mas como há um prazer superficial, o demônio cega-as, mostrando esse prazer superficial em comparação com as cruzes dos cristãos ou suas abstinências, embora o demônio encubra a verdade sobre. Então, muitos ficam presos nas teias do inferno porque são apegados a esses prazeres malditos, embora não deem um sorriso com a alma há anos; e os cristãos autênticos a sua volta, embora sem a carga de prazeres que supostamente ele tem e julgava que o faria feliz, são felizes, porque descobriram que a felicidade é Cristo.

Quem está no caminho de Deus, que é árduo, mas não difícil como o mundo pensa, vive sob o jugo suave de Cristo. Deus deu-nos o estudo e o trabalho como forma de santificação. O trabalho, aliás, um belo meio da providência agir e alimentar a nossa família. Deus nos concede o trabalho necessário. Trabalhamos o necessário inspirado por Deus; enquanto o demônio faz-se trabalhar unicamente pela ganância, fazendo um derrubar o outro na empresa, por exemplo, por causa da inveja, da vontade de ser o maior. Deus deu-nos o domingo, dia do Senhor, para O honrarmos e descansarmos; o demônio não nos dá dia de descanso: quantos reclamam que não tem forças, estão esgotados, mas o motivo é que as festas, as baladinhas, o uso desordenado do álcool e drogas ilícitas, os tem destruído. Ah, mas muitos que estão no mundo acha que nós é que vivemos sob jugo pesado, enquanto vivemos tranquilo pois vivemos pra Deus, e eles, feito escravos de satanás, não enxergam a miséria que se encontram. Ah, meus irmãos, os que estão no caminho do Céu e vivem a vocação do matrimônio vive muito mais tranquilo do que os mundanos que desprezam este sacramento. Quem disse que Deus e a Igreja condenam o prazer sexual? Os que estão no caminho do Céu namoram em castidade, conhecem o coração um do outro, amam a Deus juntos, casam-se, e vivem a vida íntima totalmente ordenada pois um ama o outro em Deus. Deus deu o sexo para o ser humano mas com uma condição que o satisfaça, ou seja, dentro de uma ordem, e, no sacramento do matrimônio, o ser humano se satisfaz verdadeiramente tendo o sexo de maneira correta, sadia, aberto a vida; já os mundanos, cegos, acham que o “sexo bom” está na quantidade: namoram – quando namoram – sem castidade, foi usado e usa, já não sabe-se o peso de quantas vezes foi objeto sexual de outros, vive sob uma aparência de liberdade, enquanto é prezo e, sem pular para a estrada do caminho do Céu, não poderá saber o que de fato é uma sexualidade sadia que não se usa, mas se ama mutuamente.

Ah, meus irmãos, poderia escrever muito mais comparando a vida do caminho do Céu e a do caminho do mundo, e mostrando que a do mundo é muito mais difícil. Como por exemplo a vida do trabalhador honesto é muito mais tranquila, embora viva de limitações, do que a do ladrão que passa por perigos para roubar e depois corre o risco de perder o que tomara de outrem, após descobrirem. Enfim, são vários os exemplos. Os foliões de carnaval que passam até semana completa pulando em busca das paixões; enquanto os que passam esse período em retiros espirituais embora se cansem, tem posteriormente a sensação de ter as forças renovadas.

Agora, meus irmãos e irmãs em Cristo, repito, não sei do teu passado. Você pode até este momento estar na estrada do mundo, difícil, mas iludida pelos prazeres que, você sabe, não te trouxe e nunca te trará a felicidade. Mas eu sei, porque experimentei, que a Misericórdia de Jesus Cristo é maior que todas as misérias, que todos os pecados que toda a humanidade cometeu e comete contra ele. Basta você se decidir! Eu sei que vai ser difícil, vai doer, a carne vai gritar. Mas, coragem! Não tenha medo de ser feliz. E quando digo em ser feliz, digo da verdadeira felicidade. Sim, da felicidade plena, que não passa na quarta-feira de cinzas após o carnaval, nem após um orgasmo depois de uma relação sexual fora do casamento feita com quem talvez você nem conheça, nem depois que passa o efeito da cocaína, da maconha, das demais drogas, do porre no bar ou em qualquer lugar; enfim, falo da verdadeira felicidade que não passa, que só Jesus Cristo pode nos dar.

Não deixe o tempo da graça passar nem se iluda com os pecados, faça sua oração a Deus agora pedindo perdão e forças pra trilhar o caminho do Céu! 

E então, amado de Deus, vamos juntos, AGORA, trilharmos o caminho do Céu? Acredite, não é tão difícil como pensamos.

***


Ninguém é tão pecador, que não alcance misericórdia. A misericórdia divina é maior que nossas maldades. Mas sob a condição de que desejemos nos corrigir na santa confissão, com o propósito de preferir a morte ao vômito [Pr 26,11]” (Santa Catarina de Sena)




Enquanto vos encontrais no tempo da Misericórdia, recorrei à Cristo Crucificado!” (S. Catarina de Sena)

Sua Misericórdia se estente, de geração em geração, sobre os que o temem” (Lucas 1,50)

O Senhor é bom e misericordioso, lento para a cólera e cheio de clemência.

Não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos castiga em proporção de nossas faltas, porque tanto os céus distam da terra quanto sua misericórdia é grande para os que temem” (Salmo 102,8;10-11)

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

O Evangelho de Deus

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe!

Não sei se você, caro leitor, está iniciando sua caminhada na Igreja agora ou se já o é praticante da fé católica de longa data; tampouco sei se você apenas está pesquisando sobre o cristianismo e/ou, sabe-se lá o porquê, caiu neste blog. Mas o que sei é que todos nós devemos tomar cuidado com os falsos pastores, falsos profetas que se levantam em nossos dias. Talvez você se encontre dentro de um grupo da Igreja, cheio de pessoas católicas ao vosso redor, porém, a pergunta é: o Evangelho pregado – não apenas com palavras, mas principalmente com a vida – é o Evangelho de Deus?

Talvez lhe foi pregado um evangelho humano, sem a radicalidade do amor de Cristo; porém, Deus teve Seus meios para atrair-nos para si e conhecermos o Seu amor. Porém, é chegado a hora de conhecermos o verdadeiro Evangelho de Jesus. É necessário; é urgente. Bom, assim o é para aqueles que querem ser salvos. Mas, por outro lado, se queres continuar brincando de ser cristão, não precisa conhecer – ou melhor dizendo, aceitar o verdadeiro Evangelho de Cristo.

No Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos encontramos o seguinte: “Depois que João foi preso, Jesus dirigiu-se para a Galileia. Pregava o Evangelho de Deus, e dizia: 'completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho'” (Mc 1,14-15). Portanto, nas Sagradas Escrituras encontramos qual é o verdadeiro Evangelho de Deus, tal qual Jesus ensinou: fazer penitência e crer neste Evangelho pregado.

Rejeite, amados irmãos, este falso evangelho pregado em muitas de nossas paróquias. Oxalá pregassem o que Jesus pregou: penitência! Mas não! Prega-se, em muitos e muitos lugares, totalmente o oposto que lemos em Marcos. O evangelista diz que Jesus pregava o Evangelho de Deus, ou seja, não pregava teorias humanas relativistas, como infelizmente se vê em muitos lugares. Pregava a vontade de Deus, para conduzir o povo para o Céu, e não teorias politicas revolucionárias condenadas pela Igreja de Cristo, como ainda se insiste hoje em alguns lugares. Pregava-se o Evangelho de Deus, e não ideologias marxistas-ateístas-satanistas-relativistas de qualquer zé ninguém da vida. E o Evangelho de Deus? Esquecido: nem pregado nem vivido.

E no que consistia este Evangelho de Deus que Jesus – que é Deus com o Pai e o Espírito Santo – pregava? Dizia “Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo”. Muito diferente do que talvez se pregue em tantas paróquias, grupos, movimentos. Jesus inicia sua pregação pública dizendo que o tempo é curto, completou-se o tempo, o Reino de Deus está próximo. Estava próximo a manifestação do amor de Deus morrendo na Cruz para nos salvar e ressuscitar no terceiro dia. Ele subiu aos Céus e prometeu que voltaria. E nós estamos mais próximos de Sua volta gloriosa do que os Apóstolos há dois mil anos atrás. Mas, mesmo que demore mais mil anos para Jesus voltar, nós iremos morrer. Tu e eu não sabemos o dia que morreremos. Pode ser que morramos hoje, amanhã, depois; simplesmente não sabemos. Ora, em muitos lugares ao invés de pregar a conversão, a renúncia de todos os pecados, a busca incessante pela confissão dos pecados para o padre, não, prega-se totalmente o contrário: não, amado, você pode pecar e é só antes de morrer confessar – assim diz muitos que estão colocando a alma de muitos em risco de danação no inferno. Você sabe o dia e a hora que vai morrer? Não! Então estejamos preparados. Não deixe para se converter amanhã enquanto pode hoje. O tempo não nos espera, queridos irmãos e irmãs, o tempo da graça é hoje. Peça perdão para Jesus HOJE. Se confesse HOJE, se for possível. Mas busque confessar o mais depresa possível. A conversão é para HOJE. A santificação é diária. Somos fracos, sem agraça cairemos, temos imperfeições. Mas o dizer não para a vida de pecado é para hoje. Talvez você caia novamente, mas o importante é você cair novamente de joelhos confessando os pecados para o sacerdote. Afinal, já nos ensina São João Paulo II que santo não é aquele que não cai, mas aquele que se levanta após cair. Por isso, meus irmãos leitores, CORAGEM! O Reino de Deus está próximo e contemplaremos Sua glória, mas confesse hoje. Como diria S. Catarina de Sena: “Enquanto é tempo da Misericórdia recorrei à Cristo Crucificado!” E qual é o tempo da Misericórdia? É o hoje. O amanhã não existe, é apenas uma espera, uma pequena esperança: será que terá amanhã? Estarei vivo? Mas o hoje, o agora é real. Faça sua oração de pedido de perdão e entrega à Jesus e faça o propósito de confessar teus pecados para um padre o mais depressa possível.

Jesus segue sua pregação, segundo Marcos dizendo “fazei penitência e crede no Evangelho”. Ora, para saber se alguém está pregando realmente inspirado no Evangelho de Deus ou no da carne, basta comparar com esta palavra que lemos. Estão te pregando a necessidade de fazer penitência e crer no Evangelho, ou simplesmente te dizem “rezar terços, fazer penitência, isso tudo é exagero. Evitar pecado? Não, Deus nos ama como somos, o que importa é o nosso coração. Deus não nos quer santinhos. Se todo mundo que fizer tal e tal coisa for pro inferno, vamos todos...” Já ouviu tais coisas? Bom, quem fala isso está inspirado num falso evangelho, puramente carnal, e não no Evangelho de Deus; pois lemos acima que Jesus inicia sua pregação falando da necessidade da CONVERSÃO: Fazei penitência e crede no Evangelho! Portanto, meus irmãos, devemos sim crer no Evangelho que Nosso Senhor Jesus Cristo nos prega. E Jesus não nos pregou a vida mansa, essa falsa misericórdia de “faça o que quiser, o importante é ser feliz”, não! Mil vezes não! Aliás, este mandamento de “faça o que quiser” está contido em regras de seitas satânicas. Ora, não podemos servir a dois senhores: ou somos de Cristo ou somos de satanás. É necessário crer no Evangelho de Jesus. E este Jesus, nosso amado e adorado Deus, nos ensinou que devemos entrar no Reino do Céu pela porta estreita (cf. Mateus 7,13-14), e que a porta larga (essa de que eu tudo posso fazer, não preciso renunciar a nada para seguir Jesus) conduz ao inferno (idem); que devemos buscar a santidade, porque nosso Pai que está no Céu é santo (perfeito) (cf. Mateus 5,48); disse também para a prostituta pega em adultério, que Ele não a condenava, mas disse-lhe para não tornar a pecar (cf. João 8,11); exortou-nos sobre a existência do inferno (por ex.: Mateus 10,28; 23,33; Marcos 5,29ss; Lucas 16,23, etc.) Ora, qual Jesus estão pregando para você e para mim? É necessário se converter. Jesus disse em Mateus 6,24 que não podemos servir a dois senhores. Ora, hoje querem nos pregar um evangelho que podemos servir a dois senhores: pode ser da Igreja e viver sob os vícios de impureza, nos bailes mundanos, no pecado total; dizem que tanto faz ser da Igreja Católica – fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Mateus 16,18-19) – e ser de qualquer seita protestante porque, dizem eles, é a mesma coisa. Tanto faz ser católico, judeu, budista. E hoje prega-se por aí que pode ser católico e espírita ao mesmo tempo. Ora, não há compatibilidade entre a doutrina da reencarnação e da ressurreição. Cremos na ressurreição de Cristo e que, por Ele, iremos ressuscitar para a vida eterna também. Se alguém opta por seguir o budismo, o espiritismo, ou qualquer outra religião, ok. Não iremos enfiar uma 12 na cara do fulano para obrigá-lo a ser católico. Porém, o Evangelho de Jesus é divino, verdadeiro, e, para nós católicos, ou somos 100% católicos, ou não somos católicos. Não tem como servir a Jesus na Igreja Católica e continuar com o pé na falsas religiões. E também não podemos crer que as outras religiões são iguais a nossa. Não. Respeitamos, porém, para nós, há uma grande diferença entre as outras e a nossa: Jesus é Deus encarnado, Ele fundou a Igreja. Nas outras podem haver sementes da verdade, por causa da busca sincera do homem pela Verdade (Jesus é a verdade), porém, só no Cristianismo, propriamente na sã doutrina Católica, encontramos a plenitude da verdade revelada, afinal, Jesus é o Verbo de Deus feito carne (cf. João 1,1ss) e é o Servo da qual fala Isaías: “Eis meu servo que eu amparo, meu eleito ao qual dou toda a minha afeição, faço repousar sobre ele meu espírito, para que leve às nações a verdadeira religião” (Isaías 42,1). Ou nós cremos que a VERDADEIRA religião é esta fundada por Jesus, ou não somos nem pregamos o Evangelho de Deus, porque não podemos servir a dois senhores. Repito, não se pode comparar as religiões como se fossem a mesma coisa. Lá pode haver pessoas boas, pessoas sinceras, mas, por outro lado, a plenitude da verdade está na Sã doutrina Católica. O Caminho, A Verdade e A Vida é Jesus Cristo! (cf. 14,6).

Disse isso acima porque infelizmente pregam por aí um Jesus caricaturado. Ou vivemos o Evangelho de Deus, pregado por Jesus, ou a ilusão do falso evangelho carnal. Ou vivemos a santa radicalidade do Evangelho de Cristo, tal qual Ele pregou e continua pregando através da Igreja Católica, que é coluna e sustentáculo da verdade (Cf. 1Timóteo 3,14); ou somos mundanos. Ou cremos que Jesus trouxe-nos a verdadeira religião, ou não somos dele. E aí aplica-se aquilo que São João fala-nos a respeito dos Anticristos: “Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isso se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos.” (1João 2,19).Não podemos, por exemplo, ser católicos e participar da maçonaria (ou das suas ordens para jovens), espiritismo, budismo, cartomancia, ficar frequentando templos protestantes (nem músicas e tão pouco palestras são recomendadas, muito pelo contrário, devem ser evitadas), etc. Ou somos quentes ou frios, diz Jesus, porque os mornos serão vomitados da boca de Deus (cf. Apocalipse 3,14ss).

E então, caros jovens e demais homens e mulheres de boa fé, qual evangelho quereis seguir: o de Deus ou o dos homens? Lembro-vos que o de Deus conduz ao Céu, enquanto o dos homens ao inferno.

Perdoe-me as palavras pesadas, segundo alguns podem achar, porém, o zelo pela salvação de vossas almas me leva a isso. E, por outro lado, não foi isso que Jesus pregou? Penitência e crer no Evangelho! E se sou cristão, é isso que peço-vos: creia no Evangelho e na Igreja de Jesus, e faça penitência dos teus pecados. E de maneira especial procure o sacramento da penitência, ou seja, a Confissão Sacramental com um sacerdote (padre). Reze, como Nossa Senhora pediu em Fátima, pelo menos 1 Terço diariamente. Vá a Missa pelo menos dominicalmente, Comungue Nosso Senhor, confesse com frequência, enfim, tenha verdadeiramente uma vida cristã. Não importa se todas pessoas do teu grupo – até mesmo da Igreja – não pregam e nem querem viver a santidade, viva você. A salvação é pessoal. Vá para o Céu só, mas não queira ir para o inferno acompanhado dos teus amigos. Aliás, quando digo “vá para o Céu só” é em sentido figurado, pois nunca vamos sozinhos para o Céu. Busque a santidade na sua vida e as pessoas encontrarão um exemplo em você para que elas também possam mudar de vida. Se ninguém quer viver a santidade, viva você e, em breve, na tua Paróquia, no teu grupo, no teu círculo, florirá um jardim perfumado de almas que desejam ardentemente o Céu e não as coisas desse mundo que passam e findam no inferno. Não importa se até teus coordenadores de grupo, círculos, e, infelizmente, até alguns padres e teus pais e amigos próximos, te desanimarem com palavras e maus exemplos, faça simplesmente o que Jesus pregou: creia e viva o Evangelho e faça penitência, por ti e por eles para que também sintam o doce perfume do Cristo Jesus que nos chama para as delícias celestiais. Independente do teu estado de vida futuramente (sacerdócio, vida religiosa ou matrimônio), que nunca saia do teu coração o ardente amor por Jesus e o desejo de ser santo! Façamos penitência, rezemos, confessemos quando cairmos (não importa a quantidade de vezes, o importante é recomeçar hoje com intenção de não querer voltar a cair. Mas se cair, recomeça de novo, até o fim da vida.) e, ao fim da vida receberemos a coroa da vitória, a coroa do reino dos Céus. Mas para isso, busquemos hoje mesmo viver o Evangelho de Deus, afinal, “completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho” (clique aqui e leia um exame de consciência que nos ajuda para confessar, ajuda-nos a ver nossos pecados)

Jesus te ama e há de te amparar para viver a santidade de vida. Afinal, "A graça Divina nunca lhe faltará. Esforce-se por corresponder ao impulso que ela lhe dá." (Santo Padre Pio de Pietrelcina)


Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lev. 19,2)

Salve Maria Imaculada, nossa Co-Redentora e Mãe! Viva Cristo Rei do Universo!